Catar diz que campanha contra Copa do Mundo no país é "racista"

quarta-feira, 3 de junho de 2015 13:32 BRT
 

PARIS (Reuters) - O ministro de Relações Exteriores do Catar, Khaled al-Attiyah, disse nesta quarta-feira que não há possibilidade de o Catar perder o direito de organizar a Copa do Mundo de 2022, porque o país venceu a votação e tinha a melhor proposta, e afirmou que a campanha contra o Mundial no Catar é "racista".

"É muito difícil para alguns digerir que um país árabe islâmico ganhou esse torneio, como se um Estado árabe não pudesse ter esse direito", disse o chanceler à Reuters em entrevista em Paris.

"Acredito que é por causa de preconceito e racismo que nós temos essa campanha agressiva contra o Catar", acrescentou.

Quando perguntado se o país pode perder o direito de organizar o torneio, Al-Attiyah disse: "De jeito nenhum o Catar pode ter isso retirado. Estamos confiantes nos procedimentos e merecemos ganhar porque apresentamos a melhor proposta."

Al-Attiyah disse ainda que o Catar pode provar que não fez nada de errado para vencer a votação que garantiu ao país o direito de organizar o Mundial.

(Reportagem de John Irish)