Klinsmann coloca seleção dos EUA em busca de metas mais ambiciosas

quinta-feira, 11 de junho de 2015 17:14 BRT
 

Por Erik Kirschbaum

DUESSELDORF, Alemanha (Reuters) - Após vitórias expressivas fora de casa sobre duas potências do futebol mundial, a estratégia do técnico da seleção dos Estados Unidos, Juergen Klinsmann, de enfrentar os melhores times do mundo parece estar dando resultado, uma vez que sua equipe pode olhar para a próxima Copa do Mundo sem qualquer complexo de inferioridade.

Os Estados Unidos reverteram placares adversos duas vezes nos últimos cinco dias para derrotar a Holanda por 4 x 3, na sexta-feira, e depois a atual campeã mundial, Alemanha, por 2 x 1, na quarta.

"Agora você de repente enfrenta Alemanha ou Holanda ou Suíça na Copa do Mundo e não tem mais medo", disse Klinsmann à Reuters.

O ex-atacante da seleção alemã deu preferência a enfrentar adversários difíceis em amistosos de forma a aumentar a experiência de seu time, e espera que o alto nível de dificuldade ajude a equipe dos EUA na Copa Ouro do próximo mês.

"Ainda existe respeito pelos times grandes. Você sempre tem respeito. Mas não existe mais um respeito demasiado", disse.

"Eu acho que psicologicamente foi realmente importante para os nossos jogadores verem que nós podemos jogar contra os times de ponta como Holanda e Alemanha. Não viemos à Europa apenas para defender. Estamos aqui para jogar com eles e ver o que acontece", acrescentou.

Klinsmann, que treinou a Alemanha entre 2004 e 2006 antes de assumir a seleção dos EUA em 2011, sabe que é um desafio perigoso marcar jogos contra os melhores times do mundo, já que uma sequência de resultados ruins pode dar munição aos críticos.

No entanto, "a única forma de melhorar é jogar contra os melhores times", afirmou o treinador em entrevista em Duesseldorf. "Jogar contra times grandes regularmente é valioso para ajudar os jogadores a entender o que é preciso para ficar frente a frente com os melhores."   Continuação...

 
Técnico dos EUA Klinsmann sorri durante amistoso contra a Alemanha.  10/6/2015.  REUTERS/Ina Fassbender