Blatter diz a jornal suíço que não renunciou à presidência da Fifa

sexta-feira, 26 de junho de 2015 09:12 BRT
 

ZURIQUE (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse a um jornal suíço que não deixou o cargo de presidente da Fifa, aumentando as especulações de que pode tentar permanecer como dirigente da entidade máxima do futebol mundial, abalada por um escândalo de corrupção.

"Eu não renunciei, em vez disso, estou oferecendo meu mandato em um congresso extraordinário", disse Blatter, segundo reportagem publicada nesta sexta-feira no jornal suíço Blick.

O jornal disse que Blatter fez o comentário na quinta-feira, em sua primeira aparição pública desde a entrevista coletiva de 2 de junho, onde anunciou sua renúncia ao cargo de presidente da Fifa e convocou uma eleição para a escolha do novo líder, em meio ao escândalo de corrupção.

Um porta-voz da Fifa disse por email: "Nós podemos confirmar que as declarações do Blick são precisas. Elas estão em linha com discurso do presidente em 2 de junho de 2015".

No entanto, as palavras de Blatter parecem ser menos definitivas do que as de 2 de junho, quando afirmou: “Decidi entregar o meu mandato em um congresso eletivo extraordinário. Enquanto isso vou continuar a exercer minhas funções como presidente da Fifa até a eleição".

Um ex-assessor de Blatter havia dito anteriormente que o presidente da Fifa poderia voltar atrás em sua promessa de se demitir do cargo.  Na época, a Fifa disse que Klaus Stoehlker, que era consultor de Blatter durante a campanha eleitoral deste ano à presidência da entidade, não estava mais trabalhando com ele.

Blatter, que foi reeleito em maio, está sob pressão para antecipar sua saída, à medida que autoridades dos Estados Unidos e da Suíça investigam suspeitas de suborno e corrupção na organização. Blatter não foi acusado de nenhum delito.

(Reportagem de Joshua Franklin; Reportagem adicional de Brian Homewood)

 
Presidente da Fifa, Joseph Blatter, posa com trabalhadores durante evento com operários das obras do museu da Fifa, em Zurique. 25/06/2015 REUTERS/Kurt Schorrer