Dunga pede desculpas por comentário sobre afrodescendentes

sexta-feira, 26 de junho de 2015 21:05 BRT
 

CONCEPCIÓN, Chile (Reuters) - O técnico Dunga pediu desculpas pelo seu comentário sobre afrodescendentes nesta sexta-feira, feito enquanto criticava as cobranças sobre a seleção brasileira.

"Quero me desculpar com todos que possam se sentir ofendidos com a minha declaração sobre os afrodescendentes. A maneira como me expressei não reflete os meus sentimentos e opiniões", disse Dunga em comunicado no site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Mais cedo, ele afirmou que a seleção brasileira sofre uma pressão injusta para ganhar a Copa América, assim como ocorreu no passado com as fortes cobranças sobre a geração de 1994, da qual ele fazia parte quando era jogador.

"Aquela seleção tinha uma cobrança de 40 anos sem ganhar uma Copa América, 24 anos sem ganhar a Copa do Mundo. Tudo que se fazia era de ruim. Até acho que sou afrodescendente, de tanto que apanhei e gosto de apanhar. Os caras olham e batem", disse Dunga a jornalistas, na véspera da partida de quartas de final da Copa América, contra o Paraguai.

"Esses jogadores têm uma pressão enorme, um pouco diferente da nossa, mas muito duras... A gente não pode achar que está tudo ruim. Temos bons valores, os jogadores estão trabalhando. É uma seleção que está ganhando", completou ele.

O Brasil vinha de 10 vitórias seguidas em amistosos até estrear na Copa América do Chile, onde soma até agora dois triunfos e uma derrota para a Colômbia.

Dunga assumiu a seleção depois da Copa do Mundo de 2014, quando o Brasil fracassou em casa ao perder a semifinal por 7 x 1 para a Alemanha e a disputa do terceiro lugar para a Holanda por 3 x 0.

"Acho injustas a cobrança e a pressão que estão colocando sobre a atual seleção brasileira. Nossos jogadores merecem respeito, estão empenhados, treinando, trabalhando, em busca de um objetivo que é ganhar uma competição das mais difíceis que é a Copa América", declarou.

Contra o Paraguai, Dunga espera neutralizar o jogo aéreo do rival, considerado o ponto forte da equipe.

"A gente sabe que o forte deles é esta jogada. Treinamos e nos preparamos para neutralizá-la. Mas o futebol é feito de momentos decisivos, e nem sempre pode-se levar vantagem sobre os adversários", afirmou.

(Reportagem de Carlos García Rawlins)

 
Dunga concede entrevista coletiva em Concepción. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins