Alemanha pede ajuda à Suíça para investigar suposta compra de votos para Copa de 2006

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015 13:11 BRST
 

ZURIQUE (Reuters) - Promotores alemães pediram ajuda à Suíça, país onde fica a sede da Fifa, para investigar um pagamento suspeito ligado à realização da Copa do Mundo de 2006 na Alemanha, que envolve a análise de dados bancários.

O procurador-geral de Frankfurt procurou assistência legal a respeito de uma transferência de 6,7 milhões de euros da Associação Alemã de Futebol (DFB) à Fifa, disseram as duas entidades nesta quarta-feira.

Em novembro, agentes da polícia e do fisco fizeram uma busca na sede da DFB e nas residências de dirigentes para averiguar suspeitas de evasão fiscal ligada à concessão do torneio.

No cerne da investigação está um pagamento de 2005 da DFB que, segundo a revista Der Spiegel, foi a devolução de um empréstimo feito pelo então diretor-executivo da Adidas, Robert-Louis Dreyfus, para comprar votos para a bem-sucedida campanha alemã de 2000 na Fifa, que lhe rendeu o direito de sediar o Mundial.

Separadamente, as autoridades suíças estão analisando 133 relatos de atividades financeiras suspeitas ligadas à concessão das Copas de 2018 e de 2022 à Rússia e ao Catar, entre uma série de alegações de corrupção na qual a Fifa está mergulhada.

Wolfgang Niersbach, ex-presidente da DFB, seu antecessor, Theo Zwanziger, e Horst Schmidt, ex-secretário-geral da entidade – que ocuparam cargos de alto escalão no comitê organizador em 2006 – são suspeitos de fraudar o fisco no que diz respeito ao pagamento, disseram os promotores.

A DFB e Niersbach, além do então chefe do comitê organizador, Franz Beckenbauer, repudiaram as acusações de compra de votos, mas Zwanziger declarou que as alegações sobre o pagamento irregular são verdadeiras e que Niersbach estava a par deste, sem oferecer informações sobre seu próprio conhecimento do assunto.

Niersbach, que renunciou em função do escândalo, afirmou que há uma investigação interna em andamento para descobrir por que o valor foi pago à Fifa e para que foi usado.

(Por Brenna Hughes Neghaiwi)