December 16, 2015 / 6:08 PM / 2 years ago

Del Nero diz em CPI que provará inocência após indiciamento nos EUA

4 Min, DE LEITURA

Del Nero durante entrevista na CBF, no Rio 17/9/2015Sergio Moraes

(Reuters) - O presidente licenciado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, disse nesta quarta-feira em depoimento à CPI do Futebol, no Senado, que vai provar sua inocência, depois de ser acusado nos Estados Unidos de corrupção.

"As pessoas podem ser indiciadas, mas têm o direito de fazer sua defesa e vou provar que há um equívoco muito grande neste indiciamento americano... Vou demonstrar a minha inocência", disse Del Nero a senadores.

Questionado pelo presidente da CPI, o ex-jogador e senador Romário (PSB-RJ), se a CBF é uma instituição corrupta, o dirigente respondeu: "Não, que eu saiba não. Eu não sou corrupto".

Del Nero foi indiciado pela Justiça dos EUA no começo deste mês acusado de receber propina em contratos ligados a competições no Brasil e na América do Sul. Após o indiciamento, ele se licenciou da presidência da CBF.

"Pedi licença para poder me defender", argumentou Del Nero, acrescentando que também deixou suas funções nos comitês da Fifa e da Conmebol para se defender das acusações.

Del Nero afirmou, no entanto, que não vai renunciar ao cargo. O dirigente foi eleito presidente da CBF em eleição no ano passado e assumiu o posto em abril, no lugar de José Maria Marin. Em maio, Marin foi preso na Suíça junto com outros dirigentes do futebol mundial, na maior operação já feita contra a corrupção neste esporte.

Del Nero garantiu no depoimento que não presenciou nenhuma "irregularidade" cometida por Marin e negou as acusações de que teria participado da elaboração de contratos suspeitos durante a gestão de seu antecessor, apesar de estar sempre próximo ao ex-presidente da CBF.

Desde a prisão de Marin, Del Nero não viajou ao exterior para acompanhar a seleção brasileira ou participar de reuniões da Fifa.

Segundo ele, seus advogados o aconselharam a ficar no país. Perguntado por Romário se tinha medo de ser preso, Del Nero reafirmou: "Meus advogados me aconselharam."

Romário, campeão mundial pelo Brasil na Copa de 1994, usou um tom duro contra Del Nero, defendeu sua saída da CBF e por mais de uma vez acusou o depoente de mentir à CPI, criada após a prisão de vários dirigentes de futebol ligados à Fifa, no final de maio.

Outras autoridades foram presas no começo deste mês, entre elas o ex-presidente da Conmebol Juan Angel Napout e Alfredo Hawit, de Honduras, então presidente em exercício da Concacaf. Del Nero disse ter ficado surpreso com as prisões.

"Para mim foi uma surpresa muito grande as pessoas envolvidas...temos que ter a presunção da inocência e esperar", declarou.

Del Nero ainda negou possuir contas no exterior e que tenha estado em Barbados, embora o senador Randolfe Rodrigues (Rede–AP) tenha apresentado dados da Anac segundo os quais Del Nero teria viajado em um jato da CBF ao paraíso fiscal.

Antes do depoimento, Del Nero leu uma carta em que defendeu sua gestão à frente da entidade que comanda o futebol brasileiro. "Nunca a CBF foi tão aberta e participativa", disse.

(Reportagem de Tatiana Ramil, em São Paulo; edição de Maria Pia Palermo)

tatiana.ramil@thomsonreuters.com; 5511 56447765; Reuters Messaging: tatiana.ramil.thomsonreuters.com@reuters.net

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below