Presidente da Concacaf concorda com extradição para os EUA em caso Fifa

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016 14:30 BRST
 

ZURIQUE (Reuters) - Alfredo Hawit, presidente em exercício da entidade responsável pelo futebol nas Américas do Norte e Central e no Caribe, e um dos vice-presidentes da Fifa, concordou em ser extraditado aos Estados Unidos para enfrentar acusações criminais, disseram autoridades suíças nesta quarta-feira.

"O Escritório da Procuradoria dos Estados Unidos para o distrito de Nova York o acusa de ter recebido propinas que totalizam milhões de dólares em ligação à venda de direitos de marketing de torneios de futebol na América Latina para várias firmas de marketing esportivo", informou a Justiça Federal suíça em comunicado.

Hawit, hondurenho, foi preso em Zurique em dezembro e está entre as dezenas de pessoas acusadas de receber propina e lavagem de dinheiro.

Também foram indiciados o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e os ex-presidentes da entidade Ricardo Teixeira e José Maria Marin, que atualmente cumpre prisão domiciliar nos EUA.

(Reportagem de Joshua Franklin)