Jogadoras de futebol processam Fifa por grama artificial na Copa de 2015

quarta-feira, 1 de outubro de 2014 20:43 BRT
 

TORONTO (Reuters) - Um grupo de jogadoras do primeiro escalão do futebol feminino entrou com uma ação contra a Fifa e a Associação Canadense de Futebol (CSA) nesta quarta-feira alegando discriminação de gênero por causa dos planos de se usar grama artificial na Copa do Mundo feminina de 2015.

A ação, apresentada ao Tribunal de Direitos Humanos de Ontario, alega que a Fifa e a CSA estão discriminando as mulheres ao realizar o torneio na grama artificial, o que elas acreditam representar riscos de segurança e alterar a maneira como o jogo é disputado.

“As atletas talentosas que representamos estão determinadas a não permitir que o esporte que amam seja depreciado enquanto estiverem atuando”, disse Hampton Dellinger, o advogado que atua em nome das jogadoras, em um comunicado.

“Ter um campo igual na Copa do Mundo é uma luta que as jogadoras não deveriam ter que empreender, mas que tampouco irá intimidá-las. No final das contas, confiamos que a justiça e a igualdade irão prevalecer sobre o sexismo e a teimosia”.

Os Mundiais masculino e feminino, disputados a cada quatro anos, sempre foram realizados na grama natural.

A ação surge um dia depois de representantes da Fifa terem iniciado as inspeções dos locais das competições, que ocorrerão entre 6 de junho e 5 de julho do ano que vem em seis cidades canadenses.

(Por Steve Keating)