Navratilova questiona silêncio de federação perante ofensa às irmãs Williams

segunda-feira, 20 de outubro de 2014 13:50 BRST
 

Por Patrick Johnston

CINGAPURA (Reuters) - Vencedora de vários títulos de Grand Slam, Martina Navratilova questionou o “silêncio” da Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês) depois que um de seus membros descreveu a número 1 do mundo, Serena Williams, e sua irmã Venus como “irmãos”.

O presidente da Federação Russa de Tênis, Shamil Tarpischev, foi rapidamente suspenso por um ano e recebeu uma multa de 25 mil dólares da Associação de Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês) depois de fazer os comentários na televisão local na sexta-feira.

Navratilova, uma das maiores tenistas da história, com 59 títulos de simples, duplas e duplas mistas em torneios de Grand Slam, elogiou a rapidez da medida da WTA em defesa de Serena e da ex-número 1 Venus, que conquistou sete títulos de simples em Grand Slams, mas criticou a ITF.

“O silêncio da ITF foi ensurdecedor”, disse a um pequeno grupo de repórteres em Cingapura antes do início do torneio WTA Finals, competição que encerra o calendário feminino, nesta segunda-feira.

“São justamente eles que têm a possibilidade de fazer algo, já que Tarpischev é o presidente da Federação Russa de Tênis e capitão da Fed Cup, e ambas são de responsabilidade da ITF.”

“A WTA fez tudo que podia. Eles certamente mostraram que apoiam Serena e Venus, e ele pode ter achado que o comentário foi engraçado, mas foi tudo menos isso.”

“Certamente este tipo de agressão verbal não pode ser tolerada por ninguém, mas especialmente vinda de uma autoridade de alto escalão do tênis.”

Tarpischev, que ainda é membro do Comitê Olímpico Internacional, foi instigado a pedir desculpas no sábado pela WTA, cuja executiva-chefe, Stacy Allaster, disse que os comentários foram “insultantes, depreciativos e não têm nenhum cabimento no nosso esporte”.

Serena, vencedora de 18 títulos de simples de Grand Slam, demonstrou estar magoada ao classificar a fala de Tarpischev de “muito insensível e extremamente sexista, além de racista” antes de iniciar a defesa de seu título no WTA Finals.

“Achei que foi uma espécie de bullying”, acrescentou no domingo.

 
Lenda do tênis Martina Navratilova durante coletiva de imprensa em Cingapura. 15/08/2014. REUTERS/Edgar Su