Condições para velejadores em Toronto ressaltam problemas da Baía de Guanabara

domingo, 19 de julho de 2015 19:09 BRT
 

Por Steve Keating

TORONTO (Reuters) - Para os velejadores, as águas em que competiram nos Jogos Panamericanos nesta semana irão parecer água mineral em comparação com a mal-cheirosa Baía de Guanabara que os aguarda na Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016.

Enquanto os iatistas disputavam medalhas nas águas claras ao redor da Ilha Central de Toronto, no Canadá, centenas de banhistas aproveitavam o Lago Ontário durante o final de semana ensolarado, uma visão que dificilmente se repetirá no Rio – os atletas olímpicos que foram conferir os preparativos em eventos de teste se queixaram de sofás boiando e carcaças de animais.

“É um problema sério”, disse a brasileira Fernanda Demetrio Decnop, medalhista de bronze do iatismo na classe laser radial, à Reuters. “É sério, nós atletas nos queixamos muito disso porque velejamos com o vento, velejamos com a natureza, e nos preocupamos com a natureza e é terrível ter um lugar, no meu lar, onde velejo e é poluído”.

“Espero que façam algo para melhorar, porque até agora não vi muita coisa”.

A limpeza da Baía de Guanabara foi um item importante da campanha do Rio para sediar a Olimpíada e é uma meta de sucessivos governos há tempos.

Centenas de milhões de dólares já foram gastos, mas a água continua fétida.

Biólogos têm dito que os rios que desaguam na baía contêm uma superbactéria resistente a antibióticos e que pode causar infecções urinárias, gastrointestinais e pulmonares.

    Quando se candidatou aos Jogos, o Rio se comprometeu a reduzir em 80 por cento a quantidade de esgoto sem tratamento que escoa na baía.   Continuação...