Maradona diz que quer lutar contra "máfia" na Fifa

quarta-feira, 29 de julho de 2015 19:49 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - O argentino Diego Maradona disse nesta quarta-feira que quer lutar contra a "máfia" responsável pelo escândalo de corrupção que abalou a Fifa, mas ele não confirmou se deseja ser o próximo presidente da entidade máxima do futebol mundial.

"Eu tenho que lutar contra a máfia que ainda permanece dentro da Fifa. Tenho que lutar contra aqueles que por muito tempo roubam de dentro da Fifa", disse Maradona ao canal de televisão local América.

Questionado se vai concorrer à presidência da Fifa, o ex-jogador de 54 anos respondeu ambiguamente: "Eu realmente quero estar na Fifa."

No final de maio, autoridades dos Estados Unidos indiciaram nove dirigentes de futebol e cinco executivos de marketing esportivo envolvidos em esquemas de subornos ao longo de um período de 24 anos. Os promotores disseram que a investigação revelou esquemas complexos de lavagem de dinheiro, milhões de dólares em rendimentos não tributados e dezenas de milhões de dólares em contas offshore de autoridades de futebol.

Maradona tem lançado ataques em direção aos dirigentes da Fifa, em particular ao presidente da entidade, Joseph Blatter, que anunciou em junho que deixará o cargo. Blatter não foi acusado pela Justiça norte-americana e nega qualquer irregularidade.

Maradona há muito tempo acusa Blatter de dirigir a Fifa como uma organização criminosa e expressou prazer em ver as autoridades dos EUA acusarem altos funcionários da entidade de corrupção.

"Agora a meu favor, estou andando em sintonia com os ianques", disse Maradona na entrevista. "E esses ianques são sérios", acrescentou.

(Reportagem de Luis Ampuero e Eliana Raszewski)

 
Maradona faz gesto em jogo do Boca Juniors contra o Quilmes em Buenos Aires.  18/7/2015.   REUTERS/Marcos Brindicci