Tribunal suíço rejeita pedido de libertação de dirigente da Fifa por motivo médico

segunda-feira, 5 de outubro de 2015 12:14 BRT
 

ZURIQUE (Reuters) - Um tribunal suíço rejeitou pedido de um dirigente da Fifa preso após um escândalo de corrupção para ser solto por questões de saúde, informou a corte nesta segunda-feira.

O tribunal não nomeou a pessoa, mas identificou como um ex-presidente da Associação de Futebol da Venezuela. Uma fonte judicial suíça confirmou que se trata de Rafael Esquivel, um dos sete dirigentes presos em maio a pedido da Justiça norte-americana.

"A corte considerou que há um risco de o réu fugir caso seja solto. Os argumentos colocados a favor da libertação, como sua idade avançada e o estado ruim de saúde, não foram vistos como suficientes para conter o risco de fuga", informou o Tribunal Criminal Federal em nota sobre o veredicto.

O ex-presidente da CBF José Maria Marin também está entre os presos.

(Reportagem de Michael Shields e Joshua Franklin)

 
Ex-presidente da Federação de Futebol da Venezuela Rafael Esquivel durante evento em Caracas.  10/05/2012   REUTERS/Jorge Silva