Hawilla diz a juiz dos EUA que se arrepende de pagar propinas no futebol

quinta-feira, 15 de outubro de 2015 15:19 BRT
 

Por David Ingram

(Reuters) - O empresário brasileiro de marketing esportivo José Hawilla, que fechou acordo de cooperação com a Justiça dos Estados Unidos sobre a corrupção no futebol, disse a um juiz que sabia que era errado pagar suborno, mas que fez isso regularmente pelo menos desde 1991, de acordo com documentos judiciais revelados nesta quarta-feira.

"Eu sabia que essa conduta era errada. Me arrependo muito e peço desculpas pelo que fiz", disse Hawilla, fundador da empresa de marketing Traffic, durante audiência em 12 de dezembro do ano passado.

Uma transcrição da audiência, que não foi aberta ao público, está entre documentos divulgados pela Justiça. Hawilla declarou ser culpado na audiência de quatro acusações relacionadas com corrupção, ao dizer ao juiz de Nova York Raymond Dearie que as propinas eram necessárias para garantir à Traffic contratos com várias entidades responsáveis pela administração do futebol, inclusive a Fifa.

O primeiro caso de propina relatado por Hawilla aconteceu em 1991, quando, segundo ele, "um dirigente ligado à Fifa" exigiu um suborno para assinar um contrato relativo à Copa América. "Apesar de eu não querer, eu aceitei pagar o suborno", disse Hawilla. O nome do dirigente não foi revelado.

Um advogado de Hawilla disse nesta quinta-feira que os documentos da corte falam por si próprios. Hawilla não foi condenado. Ele concordou em devolver 151 milhões de dólares e seu acordo com as autoridades dos EUA prevê um plano para ele vender sua participação na Traffic.

A cooperação do brasileiro com as autoridades norte-americanas começou em março de 2014, de acordo com documentos judiciais, mas o envolvimento dele no âmbito da investigação norte-americana não era conhecido até maio deste ano. Isso aconteceu quando a Justiça dos EUA divulgou indiciamentos contra nove dirigentes do futebol mundial e cinco executivos de marketing esportivo por acusações de terem tirado proveito pessoal do esporte de forma ilegal. Entre os indiciados está o ex-presidente da CBF José Maria Marin, que se encontra preso na Suíça.

Hawilla, ex-jornalista de televisão, concordou em prestar depoimento em qualquer ação judicial nos EUA e de manter sua cooperação em segredo, de acordo com uma cópia de seu acordo com a Justiça norte-americana.

 
Sede da Traffic Sports, em São Paulo. 27/05/2015   REUTERS/Nacho Doce