Chefe de comitê da Copa da Rússia-2018 nega acordo em eleição na Fifa

quinta-feira, 29 de outubro de 2015 18:20 BRST
 

MOSCOU (Reuters) - O chefe do comitê organizador da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, negou nesta quinta-feira que a concessão do torneio ao país tenha sido pré-arranjada.

Nesta semana, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que foi suspenso por 90 dias pelo comitê de ética da entidade em meio a uma investigação de corrupção, disse à agência de notícias russa TASS: "Foi acordado que iríamos para a Rússia (em 2018)... e em 2022 voltaríamos para os Estados Unidos."

Ao esclarecer os comentários, o porta-voz de Blatter, Klaus Stoehlker, afirmou mais tarde à Reuters que o presidente tinha proposto tais locais para os dois torneios, mas que não foi previamente acordado porque o comitê executivo da Fifa tinha que votar.

O chefe-executivo do comitê russo, Alexei Sorokin, repetiu Stoehlker e disse que a votação era o que importava e que ele não estava ciente de qualquer tipo de manipulação.

"Se havia pessoas que tinham uma posição clara sobre em quem votar, é direito delas. Faz parte de suas atribuições tomar decisões sobre o futebol mundial", disse Sorokin ao World Football Insider em uma entrevista.

"Tudo o que sei é que não sabíamos o resultado da votação até depois da votação."

Quatorze dirigentes de futebol e executivos de marketing esportivo foram indiciados pelo Departamento de Justiça dos EUA por suborno, lavagem de dinheiro e fraude em uma investigação de vários milhões de dólares.

(Reportagem de Alexander Winning)