Presidente do COI espera que atletas russos possam competir no Rio

quarta-feira, 11 de novembro de 2015 11:26 BRST
 

WELLINGTON (Reuters) - O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, disse esperar que a Rússia cumpra os regulamentos de doping a tempo para que os russos possam competir nas provas de atletismo da Olimpíada do Rio em 2016, apesar dos apelos para que o país seja proibido de participar, em meio a alegações de fraude apoiadas pelo Estado.

Uma comissão independente criada pela Agência Mundial Antidoping (Wada) recomendou que a Federação de Atletismo da Rússia seja banida do esporte após acusações de corrupção generalizada e conluio com autoridades russas, que incluem o encobrimento de testes positivos para uso de doping.

O COI afirmou querer a abertura de procedimentos disciplinares e alertou que quaisquer competidores, treinadores ou dirigentes mencionados no relatório da Wada que comprovadamente tenham violado os regulamentos antidoping seriam punidos e retirados de medalhas.

Em uma entrevista à televisão da Nova Zelândia nesta quarta-feira, Bach declarou que não iria especular sobre se os atletas russos deveriam ser proibidos de participar das Olimpíadas de 2016.

Ele disse que cabe à Associação Internacional de Federações de Atletismo (Iaaf) determinar se as sanções são necessárias.

"Não vou especular sobre isso", disse Bach. "Agora, temos essa questão sobre o atletismo. A federação internacional vai tirar a sua conclusão e tomará as medidas necessárias."

Bach acrescentou ter plena confiança em que o novo presidente da Iaaf, Sebastian Coe, iria adotar medidas para limpar o esporte e disse esperar que as autoridades russas cumpram todos os procedimentos para garantir que seus atletas compitam no Rio.

"Estamos convencidos de que o presidente Sebastian Coe vai fazer o que for necessário", declarou. "Acho também que a Rússia cooperará para progredir e ter a certeza de que o atletismo russo está em conformidade com a Wada. Precisa disso, a fim de participar dos Jogos Olímpicos."

 
Presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, durante cerimônia em Moscou.  21/10/2015   REUTERS/Alexander Zemlianichenko/Pool