Ex-presidente Diack renuncia a cargo honorário no COI

quarta-feira, 11 de novembro de 2015 12:15 BRST
 

BERLIM (Reuters) - Ex-presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) Lamine Diack renunciou ao cargo de membro honorário do Comitê Olímpico Internacional (COI) na esteira do início de uma investigação formal do senegalês por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro, informou o COI nesta quarta-feira.

Diack, que havia sido suspenso provisoriamente do COI na terça-feira e que também renunciou à presidência da Fundação Atlética Internacional, teria recebido mais de 1 milhão de euros de propinas em 2011 para ocultar testes de doping positivos de atletas russos.

    O dirigente de 82 anos, membro do COI entre 1999 e 2013 antes de se tornar membro honorário um ano depois, se tornou alvo de uma investigação formal na França nesta semana e foi interrogado pelas autoridades antes de ser solto sob fiança de 500 mil euros e proibido de deixar o país.

    Sua renúncia da entidade olímpica acontece dois dias após a publicação de um relatório de uma comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) sobre alegações de corrupção generalizada e conluio de autoridades russas, incluindo serviços de segurança estatais, para encobrir os resultados de testes de drogas, destruir amostras e intimidar funcionários de laboratórios.

    O relatório também identificou “falhas sistêmicas” na IAAF, já abalada pelo inquérito sobre Diack e outros dirigentes.

    Diack atuou como presidente da IAAF entre 1999 e agosto deste ano, quando foi sucedido pelo britânico Sebastian Coe. Seu filho, Papa Massata Diack, e três outras pessoas também foram acusados de várias supostas violações do código de ética da IAAF.

    Figura poderosa no COI, Diack já controlou a modalidade olímpica de destaque durante mais de 15 anos. O atletismo, assim como a natação, era grande beneficiário das contribuições financeiras do COI aos Jogos Olímpicos.

     (Por Karolos Grohmann)

 
Ex-presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo Lamine Diack durante evento em Pequim.  22/08/2015  REUTERS/Damir Sagolj