Seleção brasileira jogará no contra-ataque, diz técnico da Argentina

quarta-feira, 11 de novembro de 2015 17:41 BRST
 

BUENOS AIRES (Reuters) - A seleção brasileira não sairá para atacar e vai esperar a Argentina quando as duas equipes se enfrentarem, na quinta-feira, no estádio Monumental, pela terceira rodada das eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, disse o técnico argentino, Gerardo Martino.

"Eu acho que vai ser um jogo em que saber atacar nos permitirá ter menos dificuldades defensivas, vai determinar se vamos sofrer mais ou menos nas saídas rápidas do Brasil, que certamente vai nos esperar (em seu campo)", afirmou Martino em conferência de imprensa nesta quarta-feira.

Martino também falou sobre a ausência do lesionado Lionel Messi, que já deu muito o que falar após a derrota para o Equador e o empate com o Paraguai, nas primeiras rodadas das eliminatórias sul-americanas.

"De acordo com comentários também do treinador do Barcelona (Luis Enrique) a ausência de Leo sempre está diretamente ligada ao resultado da equipe", disse Martino, que também não terá Sergio Aguero, Carlos Tevez, Ezequiel Garay e Pablo Zabaleta, todos machucados.

Martino, que depois de uma passagem de sucesso na seleção do Paraguai e no time argentino Newell's Old Boys chegou ao poderoso Barcelona, ​comentou a boa fase de Neymar, comandado por ele na temporada de estreia do brasileiro no futebol espanhol.

"Todo jogador precisa de um tempo para se adaptar. Coube a mim dirigir um Neymar muito bom, mas o que ele está fazendo o coloca no nível dos dois jogadores que consideramos acima do restante (Messi e Cristiano Ronaldo)", afirmou ele.

Na Associação de Futebol Argentino (AFA), órgão que terá eleições presidenciais em dezembro, há especulações de que um mau resultado contra o Brasil e a Colômbia poderia causar a saída de Martino, que assumiu a equipe após a Copa do Mundo no Brasil. No entanto, o treinador minimizou os rumores.

"Se falaria da minha continuidade de qualquer maneira, não tem nada a ver com o ano político na AFA...Sempre há interesses com relação aos lugares de privilégio", declarou ele.

(Reportagem de Luis Ampuero)

 
Técnico da seleção da Argentina, Gerardo Martino, durante treino da equipe antes de partida contra o Brasil pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, em Buenos Aires. 09/11/2015 REUTERS/Marcos Brindicci