Dunga pede apoio e paciência da torcida contra o Peru em Salvador

segunda-feira, 16 de novembro de 2015 21:20 BRST
 

(Reuters) - A seleção brasileira nunca perdeu uma partida no estádio Fonte Nova, em Salvador, mas os torcedores precisam ser pacientes no jogo de terça-feira, contra o Peru, segundo o técnico Dunga.

"O torcedor que está assistindo aos demais jogos sabe da importância de apoiar a equipe. Os gols estão saindo no segundo tempo, os detalhes é que estão decidindo as partidas. É preciso ter paciência, porque as equipes vêm fechadas", afirmou Dunga em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

O Brasil fez até agora três partidas nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, com derrota para o Chile, vitória sobre a Venezuela e empate com a Argentina. A equipe está em quarto lugar entre os 10 times que buscam vaga no Mundial.

Dunga, no entanto, não acredita que esteja ameaçado no cargo.

"Ameaçado? não sei por quê, é o futebol. É normal a cobrança que se tem em todas as profissões. Ameaçado é uma palavra um pouco forte. A melhor coisa é você treinar, repetir, conversar com os jogadores", disse o treinador.

O baiano Daniel Alves afirmou que as críticas a Dunga e à seleção brasileira são exageradas no país.

"Eu acredito mais na energia, que, aqui no Brasil, a energia é um pouco pesada. Lá (Europa) é tudo mais suave. Até a imprensa mesmo. Aqui quando fala que o treino será liberado 15 minutos, uns ficam chateados, outros entendem", afirmou ele, durante entrevista coletiva.

"Nosso país é pouco paciente", acrescentou o lateral do Barcelona.

O Peru está em alta depois de vencer seu primeiro jogo, por 1 x 0, contra o Paraguai, na sexta-feira. Raul Ruidiaz, que marcou 12 gols em 12 jogos para o Universitário nesta temporada, vai começar no banco de reservas.

"Eu tenho falado com Raul e ele está em uma forma fantástica", disse o técnico do Peru, Ricardo Gareca, a repórteres.

(Por Andrew Downie)

 
Técnico da seleção brasileira de futebol, Dunga, durante jogo contra a Argentina em Buenos Aires. 13/11/2015 REUTERS/Enrique Marcarian