19 de Janeiro de 2016 / às 11:00 / 2 anos atrás

Blatter continua a receber salário da Fifa apesar de suspensão

Presidente suspenso da Fifa, Joseph Blatter, durante entrevista coletiva em Zurique. 21/12/2015Arnd Wiegmann

MIAMI (Reuters) - O presidente afastado da Fifa, Joseph Blatter, continua a receber seu salário da entidade máxima do futebol mundial apesar de ter sido suspenso por oito anos de atividades relacionadas ao esporte, disse um porta-voz do Comitê de Auditoria e Compliance da Fifa à Reuters.

Blatter foi suspenso por 90 dias pela Fifa em 8 de outubro, e depois banido do futebol por oito anos, no mês passado, devido a violações éticas relacionadas a um pagamento de 2 milhões de dólares feito ao presidente da Uefa, Michel Platini, com a autorização de Blatter, em 2011.

Mas Blatter, um cidadão suíço que era presidente da Fifa desde 1998, vai continuar a receber seu salário até que um novo presidente seja eleito em 26 de fevereiro, disse o porta-voz Andreas Bantel na segunda-feira.

Isso significa que Blatter receberá salário por quase cinco meses, período durante o qual ele não está apto a exercer suas funções e em que a Fifa nomeou um presidente interino, o dirigente africano Issa Hayatou.

O subcomitê de compensação do Comitê de Auditoria e Compliance da Fifa decidiu recentemente que poderia interromper o recebimento de gratificações por Blatter, mas não de seu salário, de acordo com seu contrato.

“Até a eleição de um novo presidente em 26 de fevereiro, o sr. Blatter é o presidente eleito e, portanto, de acordo com seu contrato, tem direito a receber sua remuneração”, disse Bantel.

O advogado de Blatter nos Estados Unidos e seu porta-voz na Suíça não puderam ser imediatamente localizados para comentar.

A Fifa atravessa a pior crise de corrupção de sua história, com um total de 41 indivíduos e entidades acusados de ofensas relacionadas à corrupção nos Estados Unidos, entre eles o presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, e os ex-presidentes da entidade Ricardo Teixeira e José Maria Marin, este último em prisão domiciliar nos EUA.

A investigação norte-americana está longe de terminar e a Fifa também enfrente inquérito similar na Suíça.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below