February 22, 2016 / 8:19 PM / a year ago

Metrô do Rio vira motivo de dúvida a menos de 6 meses da Olimpíada

4 Min, DE LEITURA

Vista do parque aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro, durante evento-teste para Rio 2016.Sergio Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Principal projeto de transporte relacionado aos Jogos Olímpicos de 2016, a construção da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro se tornou motivo de dúvida a menos de seis meses do início do evento devido à falta de recursos, e um plano de contingência foi preparado caso a obra não fique pronta.

O governo do Estado, responsável pela obra, aguarda a liberação de um financiamento de cerca de 1,4 bilhão de reais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para concluir o projeto que vai levar o metrô até a Barra da Tijuca, local onde está situado o Parque Olímpico e onde vai ocorrer a maior parte das competições olímpicas.

Segundo o governador fluminense, Luiz Fernando Pezão, os recursos do BNDES deveriam ter sido liberados ainda em 2015, mas a troca no comando do Ministério da Fazenda de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no fim do ano passado atrasou a operação de financiamento.

"Estamos tentando vencer as barreiras e tínhamos tudo para liberar o dinheiro no fim de 2015. Temos que vencer toda a burocracia, talvez lá pelo mês de março", disse Pezão a jornalistas nesta segunda-feira, acrescentando que “há planos de contingências para todas as obras que não terminaram”.

As preocupações com o metrô aumentaram no fim de semana, quando o jornal O Globo publicou reportagem afirmando que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, havia enviado uma carta ao Comitê Olímpico Internacional (COI) alertando para os riscos de a obra não ficar pronta a tempo.

No mesmo dia, o governo do Estado garantiu que o projeto está "rigorosamente dentro do prazo" e 90 por cento concluído, mas ressaltou a necessidade da liberação de recursos do BNDES.

Fontes do governo do Estado e da prefeitura interpretaram que o vazamento do email foi uma manobra política de Paes para enfraquecer o deputado estadual Carlos Roberto Osorio, que deixou o cargo de secretário estadual de Transportes no domingo para trocar o PMDB, de Pezão e Paes, pelo PSDB, pelo qual pode concorrer à prefeitura na eleição deste ano.

Na quarta-feira, representantes do Estado e do município vão visitar as obras de expansão do metrô para demonstrar que os trabalhos estão em andamento. Segundo último balanço do Estado, faltam 200 metros em rocha para finalizar o túnel do eixo Barra-Ipanema, que tem previsão de inauguração em julho, um mês antes dos Jogos Olímpicos.

Mesmo assim, as autoridades ainda temem que a obra não fique pronta.

“Claro que há risco de a obra não ficar pronta, mas com o tempo ainda dá para ajustar”, disse uma fonte envolvida na organização do evento, sob condição de anonimato “Temos plano B para tudo e no caso do metrô também, óbvio”, acrescentou.

A alternativa para um eventual atraso nas obras do metrô seria a criação de um corredor expresso de ônibus na Barra da Tijuca para levar o público até os locais dos Jogos.

Representantes do comitê organizador Rio 2016 e do COI tiveram um reunião operacional sobre o tema nesta segunda-feira a portas fechadas, no Rio de Janeiro. Segundo uma segunda fonte envolvida com os Jogos, que também falou sob condição de anonimato, o encontro tratou a questão sobre o metrô como "assunto político, e não técnico".

"O metrô não preocupa”, disse a fonte, que acredita que o vazamento do alerta de Paes ao COI também visa acelerar a liberação do financiamento do BNDES.

Os Jogos do Rio acontecem de 5 a 21 de agosto.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below