2 de Março de 2016 / às 17:43 / em 2 anos

Com avanço de obras em Deodoro, Rio foca em terminar velódromo para evento-teste da Olimpíada

Prefeito do Rio, Eduardo Paes, brinca com jogadores de rúgbi durante inauguração do Estádio Deodoro. 02/03/2016 REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Rio de Janeiro respira aliviado com a entrega nesta quarta-feira de mais duas arenas do complexo esportivo de Deodoro, que por um período representou o maior drama da preparação para os Jogos Olímpicos, afirmou o prefeito Eduardo Paes, apontando a conclusão do velódromo a tempo para um evento-teste em abril como atual foco dos organizadores.

Até o ano passado, o andamento das obras em Deodoro, o segundo principal centro esportivo da Olimpíada, era motivo de preocupação para os organizadores, que precisaram fazer um esforço para recuperar os atrasos e colocar o projeto dentro do cronograma.

Foram entregues nesta quarta a Arena da Juventude, que vai ser palco das disputas de basquete feminino e esgrima do pentatlo moderno, e o Estádio de Deodoro, que irá receber nas Olimpíadas as competições de rúgbi e três modalidades do pentatlo moderno.

As duas instalações se somam a outras quatro que já estão concluídas e a mais três ainda em obras para formar o Complexo de Deodoro, que no total receberá 11 modalidades olímpicas e recebeu investimento de 825,4 milhões de reais do governo federal para os Jogos.

“Deodoro foi o maior drama e o maior problema dessa Olimpíada, e agora caminha muito bem”, disse a jornalistas o prefeito do Rio de Janeiro em cerimônia nesta quarta-feira.

No Estádio de Deodoro, uma arena temporária que será testada no fim de semana em um campeonato internacional de rúgbi, ainda falta a instalação das arquibancadas temporárias, que está prevista para ocorrer mais perto dos Jogos de agosto.

Com o avanço das obras em Deodoro, os organizadores agora voltam suas atenções principalmente para a atrasado construção do velódromo, que fica no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, o principal centro da Olimpíada.

A empresa responsável pelo empreendimento está em dificuldades financeiras e precisou repassar parte dos serviços a uma outra construtora. Faltando cerca de cinco meses para o começo dos Jogos, o velódromo tem 83 por cento da obra executada.

O atraso na obra coloca em risco o evento-teste marcado para acontecer entre o fim de abril e o início de maio. Esse evento já deveria ter ocorrido em março, mas precisou ser reprogramado devido ao atraso nas obras.

“A gente vinha há algum tempo com dificuldade com a empresa e ela fez uma subcontratação para colocar uma empresa maior, com mais capacidade e com mais pessoas. Vamos conseguir cumprir com o prazo do evento-teste. Isso é essencial”, disse Paes.

A cidade precisou construir um novo velódromo para receber as provas de ciclismo porque o antigo, erguido para os Jogos Pan-Americanos de 2007, não atendia aos padrões da Olimpíada e acabou sendo demolido. O novo Velódromo tem custo estimado em cerca de 140 milhões de reais.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below