Brasil cumprirá prazo para criar tribunal de doping, mas ainda não sabe como, diz ministro

terça-feira, 8 de março de 2016 16:34 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Sem dar detalhes de como será feito, o ministro do Esporte, George Hilton, garantiu nesta terça-feira que o governo vai cumprir o compromisso firmado com a Agência Mundial Antidoping (Wada) e criar um tribunal para julgar casos de doping nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Segundo ele, o governo não cogita solicitar à Wada uma mudança no prazo. O país tem até o próximo dia 18 para criar esse tribunal específico para analisar casos de doping no esporte, separado das atuais instâncias da Justiça desportiva, sob pena de ser descredenciado pela Wada.

“É uma exigência da Wada, recebemos uma carta deles e estive no Canadá no ano passado quando reacreditamos o laboratório e fiz o compromisso de que atenderíamos essas exigências”, disse o ministro após participar de evento-teste no campo de golfe da Olimpíada.

Ao ser questionado de que forma o tribunal especial será criado, o ministro não se aprofundou. “Isso será feito. A Casa Civil está debruçada (nesse tema) e nos próximos dias haverá uma solução por parte do governo”, declarou ele. “Estamos buscando a melhor forma. Existe algumas possibilidades de fazer ou via decreto ou medida provisória. Vamos fazer o melhor e atender a exigência”, acrescentou.

O Brasil foi incluído no fim do ano passado em uma lista de países com pendências que perderão o credenciamento da Wada se não regularizarem as questões. Outra exigência da Wada é que a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) seja a autoridade exclusiva de testes de doping no país, o que não ocorre atualmente.

O ministro ressaltou que há compreensão de alguns tribunais brasileiros sobre a necessidade de se criar a corte sobre doping, mas admitiu que há resistência por parte de alguns desses órgãos.

Mais tarde, o ministro afirmou que a crise política e econômica do país também não afetará o cumprimento do prazo do dia 18. “(A crise) não tem atrasado. Estou debruçado nisso e temos outros ministros debruçados nisso...não há porque preocupar e vamos dar demonstração para o mundo que o Brasil tem condições de sediar um evento desse porte”, disse ele. “Não cogito (hipótese de pedir adiamento do prazo). É dia 18“, finalizou o ministro do Esporte.

 
Sede da Agência Mundial Antidoping (Wada), em Montreal.  09/11/2015   REUTERS/Christinne Muschi