Rússia está ficando sem tempo para disputar altetismo da Rio 2016, alerta Wada

quarta-feira, 9 de março de 2016 10:48 BRT
 

Por Martyn Herman

LONDRES (Reuters) - A Rússia, uma potência do atletismo mundial, está ficando sem tempo para erradicar o doping e pode não conseguir enviar sua delegação da modalidade à Olimpíada do Rio de Janeiro, disse nesta quarta-feira o presidente da comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada), Dick Pound.

"Parece haver alguns indícios de que eles estão simplesmente mudando as cadeiras no Titanic", afirmou durante uma conferência antidoping.

Os competidores russos foram proibidos de participar de competições internacionais de atletismo em virtude de um relatório da comissão de Pound que revelou o uso generalizado de doping e corrupção envolvendo autoridades do atletismo russas e estrangeiras.

Os dirigentes do atletismo da Rússia receberam ordens para adotar reformas abrangentes para que o banimento seja suspenso.

"Meu palpite é que Rússia pode não reagir a tempo para ir ao Rio. A Associação Internacional de Federações de Atletismo (Iaaf) e a Wada não irão arriscar suas reputações rolando e se fingindo de mortas", disse Pound.

Na semana passada, um documentário exibido na televisão alemã trouxe à tona novas alegações de conduta inadequada no sistema antidoping da Rússia.

Entre as afirmações do programa de domingo da rede ARD está a de que os técnicos russos suspensos no maior escândalo de corrupção e de doping que já atingiu o atletismo ainda atuam na modalidade, enquanto outros continuam a fornecer substâncias proibidas aos atletas.

"Na época dissemos a eles que, se parassem de se queixar do relatório, teriam uma chance. Se o progresso que fizeram basta? Não acho que eles estejam dedicando todo seu tempo e sua energia a chegarem onde precisam".

A Rússia, que só fica atrás dos Estados Unidos na elite da modalidade, só poderá voltar às competições, incluindo a Rio 2016 em agosto, quando provar à Wada e à Iaaf que cumpriu uma série de condições no tocante à sua operação antidoping.

O escândalo de corrupção e de doping é um dos piores da história do atletismo, e despertou dúvidas sobre acordos de patrocínio lucrativos em todo o mundo e sobre os resultados e a concessão de medalhas em competições internacionais passadas.

 
Presidente da comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada), Dick Pound.  14/01/2016   REUTERS/Michael Dalder