16 de Março de 2016 / às 13:23 / 2 anos atrás

Fifa se diz vítima de corrupção e entra com ação de indenização nos EUA

Logo da Fifa visto na sede, em Zurique. 17/12/2015 REUTERS/Ruben Sprich/Files

ZURIQUE/NOVA YORK (Reuters) - A Fifa pediu às autoridades dos Estados Unidos uma indenização de dezenas de milhões de dólares a ser paga por ex-dirigentes indiciados no país por seu envolvimento no maior escândalo de corrupção do esporte, alegando danos à sua reputação e a seus interesses comerciais.

A entidade do futebol anunciou nesta quarta-feira que também irá exigir o ressarcimento de salários e uma auditoria completa de um ex-dirigente de alto escalão, que afirma ter continuado a viver “um estilo de vida extravagante” depois de ser liberado por meio de fiança de um tribunal de Nova York.

Sediada na Suíça abalada por acusações de corrupção e relatos de gastos desenfreados, o que levou à queda do ex-presidente Joseph Blatter, a Fifa disse que na terça-feira seus advogados norte-americanos entraram com um pedido de restituição, entregue a promotores federais de Nova York.

No documento e em uma carta que o acompanhou, publicada pela Fifa, o organismo exigiu a devolução de salários e ressarcimento por danos.

“Os réus abusaram grosseiramente de seus cargos de confiança para se enriquecer... (e) mancharam profundamente a marca Fifa e prejudicaram a capacidade da Fifa de usar seus recursos para ações positivas em todo o mundo”, diz o documento.

Ex-dirigentes que se declaram culpados já concordaram em pagar mais de 190 milhões de dólares em multas, de acordo com autoridades dos EUA.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below