Ecclestone diz que formato de classificação da F1 pode mudar para GP do Bahrein

sábado, 19 de março de 2016 11:24 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A Fórmula 1 precisa mudar seu sistema classificatório após o fracasso deste sábado na sessão que definiu o grid de largada para o Grande Prêmio da Austrália e as mudanças podem ocorrer antes da próxima corrida no Bahrein, disse o chefão da categoria, Bernie Ecclestone.

O novo formato, que elimina progressivamente os pilotos durante as sessões, em vez de isso ocorrer no final de cada uma, tinha o objetivo de deixar as classificações mais emocionantes, mas teve o efeito contrário e tirou qualquer suspense sobre os resultados, sem carro algum na pista ao final das sessões.

Perguntado pela Reuters se o formato deveria e poderia ser mudado antes do Grande Prêmio do Bahrein, em 3 de abril, Ecclestone respondeu que "sim".

"Essa ideia foi da FIA", disse Ecclestone, de 85 anos. Ele não está na Austrália para a corrida.

"Se nós conseguirmos fazê-los concordar com a mudança, e nós concordamos, mudamos. Se todas as equipes concordarem conosco, podemos mudar."

Ecclestone causou polêmica antes de a temporada iniciar, ao dizer que a Fórmula 1 atual é a pior da história. Esse comentário causou a ira do CEO da Daimler, Dieter Zetsche, cuja equipe Mercedes é favorita para dominar o campeonato pelo terceiro ano seguido.

O novo formato de classificação foi escolhido por unanimidade pelas 11 equipes e aprovado pela FIA, mas Ecclestone expôs críticas a ele.

"Eu tinha outra ideia. Minha ideia era utilizar o velho formato, mas quem ganhou a corrida prévia, ou finalizou em segundo, terceiro e até o décimo lugar, teria um tempo adicionado a seu tempo de classificação", disse.

"Você apenas acrescenta os tempos. A classificação seria como era lá no passado, do jeito que eu gosto, mas o grid seria totalmente diferente. Então em pelo menos dois terços da prova você teria corrida de verdade."

Ecclestone afirmou que a primeira parte da classificação deste sábado funcionou, mas o final não.

(Por Alan Baldwin)