Ministério anuncia reforço para saúde no Rio de Janeiro durante Olimpíada

quinta-feira, 24 de março de 2016 19:24 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Em meio a preocupações com o sistema de saúde do Rio de Janeiro e temores com o Zika vírus, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, reafirmou nesta quinta-feira que turistas podem viajar para a Olimpíada do Rio em segurança e anunciou reforços aos atendimentos durante os Jogos Olímpicos.

Em evento no Rio de Janeiro após reunião com representantes da prefeitura e governo do Estado do Rio de Janeiro, o ministro anunciou um reforço na assistência à saúde dos turistas que virão ao país para a Olimpíada, que inclui novas ambulâncias e aprimoramentos na infraestrutura e organização de serviços.

Entre as ações de reforço, está a compra de 146 ambulâncias pelo Ministério da Saúde em investimento de 42 milhões de reais na aquisição e aparelhamento de veículos. Após a Olimpíada, as ambulâncias serão usadas para renovação da frota em outras cidades do país.

Também serão disponibilizados 130 leitos nos hospitais federais e institutos do Rio de Janeiro, além da contratação de cerca de 2.500 profissionais de saúde temporários, entre médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem.

“Com as providências que nós estamos tomando, todos os cuidados, estamos seguros de que as pessoas podem vir para cá com segurança", disse o ministro a jornalistas.

"Há uma recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde)para as grávidas, para evitar os países onde esteja circulando o vírus Zika e isso é uma coisa que a gente respeita e compreende”, disse.

Assim como feito por autoridades municipais e organizadores dos Jogos, Castro insistiu em dizer a quem pretende visitar o Rio na Olimpíada para não ter medo, uma vez que no mês de agosto o clima estará mais seco e frio, proporcionando condições menos favoráveis para o mosquito Aedes aegypti, que transmite o vírus. Os Jogos ocorrem de 5 a 21 de agosto.

“As pessoas sempre perguntam como vai ser o problema do Zika vírus, da dengue, do chikungunya na Olimpíada. Então a gente mostra que o período que tem maior número de dengue no país coincide com o verão”, disse Castro.

“Em julho praticamente chega a nível basal e agosto, o período da Olimpíada e Paralimpíada, é quando temos o menor número de casos. Como estamos fazendo um esforço no Brasil que nunca foi feito... esperamos que a situação seja mais favorável ainda, especialmente aqui do Rio de Janeiro”, disse.   Continuação...