Após vitória sobre Alemanha, Rooney terá de suar para retomar vaga na Inglaterra

domingo, 27 de março de 2016 14:26 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O desempenho espetacular dos três jogadores de ataque na vitória de virada da Inglaterra por 3 x 2 sobre a Alemanha no sábado fez com que os ingleses passassem a se perguntar se o capitão Wayne Rooney, machucado, cabe na equipe titular que disputará a Euro 2016.

Depois do time dirigido pelo técnico Roy Hodgson sair atrás no placar e tomar dois gols da atual campeã do mundo em Berlim, os dois artilheiros do Campeonato Inglês, Harry Kane, do Tottenham, e Jamie Vardy, do Leicester City, ajudaram a virar a partida para a Inglaterra com belos gols.

E muita gente, incluindo aí o campeão do mundo com a seleção alemã em 1990 Lothar Matthaeus, considerou o jovem Dele Alli como melhor homem da partida, que Hodgson considerou como a sua melhor no comando da Inglaterra.

Alli, de 19 anos, jogou na posição de "camisa 10", atrás dos atacantes, que é indiscutivelmente a mais efetiva posição em que Rooney joga atualmente.

Antes de machucar o joelho contra o Sunderland em 13 de fevereiro, Rooney vinha em boa sequência, mas ainda tem apenas sete gols em jogos do campeonato inglês nessa temporada --mesmo número de Alli e muito abaixo de Kane (21) e Vardy (19).

"Sou um grande fã de Wayne Rooney, mas hoje nós não sentimos sua falta na partida", disse Matthaeus em comentário na televisão durante o jogo.

Para Geoff Hurst, que marcou três gols na final da Copa de 66 contra a Alemanha Ocidental, Vardy deve ser a grande surpresa da Euro que será disputada na França.

"Ele veio do nada, é um atacante muito calmo, de bom nível, muito sensível e inteligente", disse Hurst à BBC no domingo. "Tanto Harry Kane como Vardy merecem uma vaga no time pela temporada que tiveram."

Com 51 gols em partidas internacionais, Rooney é o maior artilheiro da Inglaterra e também o quarto jogador com mais partidas pela seleção do país, com 109 jogos.

"Haverá mais três jogos preparatórios em maio e junho, e Rooney terá que provar que merece seu lugar", disse o ex-diretor de futebol da federação inglesa, Trevor Brooking.

(Por Steve Tongue)