Segurança da Olimpíada está garantida apesar de "turbulência política", diz secretário

quinta-feira, 31 de março de 2016 16:42 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As recentes mudanças em cargos-chave do governo federal ligados à Olimpíada do Rio de Janeiro podem gerar desconfiança internacional sobre a organização do evento, mas não há razão para preocupação com o esquema de segurança, disse nesta quinta-feira o responsável pela segurança pública nos Jogos, ao comentar a troca no comando da Força Nacional.

Em meio à tramitação de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff no Congresso, o coronel Adilson Moreira deixou nesta semana o comando da Força Nacional, que será responsável por parte da segurança da Olimpíada, fazendo críticas ao governo e a Dilma em um email enviado a subordinados.

Apesar dos impactos negativos da crise política a cerca de quatro meses do início do Jogos Olímpicos, agravada por um quadro de recessão econômica, o responsável por comandar o plano de segurança pública dos Jogos garantiu a realização tranquila do evento.

“Toda essa instabilidade e turbulência política e dificuldades econômicas óbvio que não é bom e geram uma desconfiança no processo como um todo, mas as pessoas precisam saber que a operação de segurança envolve mais de 80 mil homens“, disse à Reuters Andrei Rodrigues, secretário de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça, em entrevista por telefone.

“Não há razão, apesar de a turbulência ser ruim, para se preocupar com a segurança... As instituições são maiores do que as pessoas”, acrescentou.

A exoneração de Moreira do comando da Força Nacional foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, que também trouxe a nomeação de Marcello Barros de Oliveira como substituto.

O Ministério da Justiça, ao qual a Força Nacional está subordinada, instaurou um inquérito administrativo para apurar a conduta do coronel e submeteu o assunto à comissão de ética da Presidência, uma vez que houve citação a Dilma, e também solicitou à Advocacia-Geral da União que verifique eventuais medidas judiciais.

Além da mudança no comando da Força Nacional, o governo, que contabiliza apoios para tentar barrar o processo de impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados, confirmou na quarta-feira a troca do ministro do Esporte, substituindo George Hilton por Ricardo Leyser como resultado de uma disputa envolvendo o antigo partido do ex-ministro, o PRB. [nL2N17223V]   Continuação...

 
Membros do Bope participam de simulação de segurança para Jogos do Rio. 11/2/2015.  REUTERS/Sergio Moraes