Copa do Mundo não será afetada por crise econômica, diz Rússia à Fifa

terça-feira, 19 de abril de 2016 17:03 BRT
 

Por Jack Stubbs

MOSCOU (Reuters) - O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse nesta terça-feira que recebeu garantias do governo russo de que a crise econômica que atinge o país não irá afetar as preparações para a Copa do Mundo de 2018.

A Rússia, que enfrenta um segundo ano seguido de recessão após seu Produto Interno Bruto (PIB) cair 3,7 no ano passado pela queda do preço global do petróleo e sanções do Ocidente, planeja cortar em média 10 por cento de gastos estatais em 2016.

O orçamento do país para a Copa do Mundo foi diversas vezes reduzido e limitado em fevereiro a 620,9 bilhões de rubios (9,38 bilhões de dólares).

"Todos sabem, é claro, da situação econômica e recebemos garantias suficientes de que isto não irá ter impacto", disse Infantino durante primeira visita a Moscou desde que foi eleito presidente da Fifa, em fevereiro.

"Penso justamente o oposto, penso que a Copa do Mundo pode contribuir impulsionando não só o movimento do futebol, mas também a economia geral aqui na Rússia."

Falando durante entrevista coletiva ao lado do ministro dos Esportes russo, Vitaly Mutko, Infantino também comentou acusações feitas contra ele em relatos da mídia citando vazamentos do Panama Papers.

"Eu já esclareci que esta história sobre o Panama Papers é absolutamente sem sentindo porque tudo foi feito de forma completamente legal, transparente, aberta", disse Infantino.

A Uefa confirmou que Infantino, que trabalhava para a organização na época, era um dos dois dirigentes que assinou um contrato para vender direitos de transmissão para dois empresários argentinos.

A Uefa e Infantino negam qualquer ação irregular.

 
Infantino visita estádio Luzhniki em Moscou para Copa de 2018. 19/4/2016. REUTERS/Maxim Shemetov