20 de Abril de 2016 / às 12:42 / em um ano

França quer prorrogar estado de emergência até disputa da Euro 2016 em junho

Estádio de Lyon que será utilizado na Euro 2016. 03/02/2016Pawel Kopczynski

PARIS (Reuters) - A França planeja prorrogar o estado de emergência que está em vigor desde os ataques de novembro em Paris por mais dois meses para garantir a segurança do torneio de futebol Euro 2016, disse o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, nesta quarta-feira.

"Diante de um evento tão grande... que deve acontecer em condições seguras e que, ao mesmo tempo, deve ser uma comemoração... temos que garantir a segurança", afirmou ele à rádio France Info.

"O estado de emergência não pode ser permanente, mas por ocasião destes grandes eventos... decidimos prolongá-lo".

A Euro 2016 começa em 10 de junho e dura um mês. Cerca de 2,5 milhões de torcedores são esperados em 10 estádios para 51 partidas de 24 times no torneio, que a França está sediando. Também haverá instalações para torcedores em outras grandes cidades.

O atual estado de emergência, que dá poderes especiais à polícia e às forças de segurança, vai até o dia 26 de maio.

Valls disse que o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, irá propor a medida a titulares de outras pastas ainda nesta quarta-feira, e ela precisará ser votada no parlamento.

A polícia vem utilizando seus poderes adicionais para fazer buscas em casas, deter suspeitos e colocar pessoas em prisão domiciliar desde os ataques de 13 de novembro na capital francesa, que deixaram 130 mortos.

A medida inicial teve respaldo popular na França, mas grupos de direitos humanos expressaram preocupação com as duas prorrogações que foram adotadas desde então.

O estádio nacional Stade de France, no norte parisiense, que irá sediar a partida de abertura e a final da Euro 2016, foi o cenário da explosão de um homem-bomba na noite dos atentados do final do ano passado.

O esquema de proteção para a competição já está mais rígido do que o normal. Só o Stade de France será vigiado por cerca de 1.200 agentes de segurança. Eles serão em média 900 por arena, mais 200 assistentes voluntários e 80 médicos – cerca de 30 por cento a mais de funcionários do que em jogos convencionais.

Batalhões de choque e divisões da gendarmeria também serão mobilizados nas cidades-sede.

Por Andrew Callus e Sophie Louet

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below