Paes diz ter garantia de Temer de que eventual governo dará apoio total a Olimpíada

quinta-feira, 5 de maio de 2016 16:17 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O vice-presidente Michel Temer, que pode assumir a Presidência já na próxima semana em caso de afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo Senado devido ao processo de impeachment, já entrou em contato com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e afirmou que seu eventual governo dará total apoio aos preparativos finais para os Jogos Olímpicos de agosto.

    Em entrevista à Reuters nesta quinta-feira, Paes afirmou que recebeu uma ligação de Temer recentemente garantindo que não faltará colaboração do governo federal para a Olimpíada, que acontecerá de 5 a 21 de agosto, provavelmente com Temer como presidente. Os dois políticos são do mesmo partido, o PMDB.

    “O vice-presidente me ligou e me garantiu seu total compromisso com os Jogos Olímpicos”, disse Paes. “Acho que a Olimpíada perpassa governos, mandatos e não vejo nenhum risco para a Olimpíada por conta desses problemas políticos.“

    Apesar do otimismo, o prefeito reconheceu que imaginava um ambiente menos conturbado no país na reta final para a primeira edição dos Jogos Olímpicos na América do Sul.

    Faltando três meses para o início do evento, Dilma deve ser afastada do cargo por até 180 dias pelo Senado na próxima semana como parte do processo de impedimento, e o país vive às voltas com as denúncias de corrupção apuradas pela operação Lava Jato, além de enfrentar um grave quadro de recessão econômica.

    O Ministério do Esporte, uma das pastas-chave da preparação olímpica, vem sendo conduzido interinamente por Ricardo Leyser, que assumiu o cargo em meio às negociações do governo com partidos da base aliada para tentar evitar a admissibilidade do processo de afastamento de Dilma na Câmara. Agora, a chegada do PMDB à Presidência deve provocar nova mudança na pasta.

    Apesar da garantia dada por Temer, o prefeito do Rio pediu atenção com tarefas de atribuição exclusiva do governo federal tais como questões sanitárias, segurança e vistos de entrada, entre outros.

    “Estamos solitários em algumas funções há algum tempo, mas essas questões a prefeitura não tem como tocar e é importante se tratar isso da maneira mais institucional possível”, alertou.   Continuação...

 
Paes concede entrevista no Rio de Janeiro.  4/8/2015. REUTERS/Ricardo Moraes