Doping está por trás de medalhas russas na Olimpíada de Inverno, diz jornal

quinta-feira, 12 de maio de 2016 19:32 BRT
 

(Reuters) - Dezenas de atletas russos que competiram nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, incluindo pelo menos 15 medalhistas, faziam parte de um programa de doping gerido pelo Estado, disse o New York Times nesta quinta-feira.

A reportagem é no geral consistente com as revelações da comissão independente da Agência Mundial Antidoping em novembro passado sobre o doping em grande escala patrocinado pelo Estado na Rússia, o que levou o país a ser banido de competições internacionais de atletismo.

Se essa proibição for mantida, os competidores russos de atletismo não irão à Olimpíada do Rio, de 5 a 21 de agosto.

Segundo a reportagem do New York Times, que tem como base principalmente evidências vindas de Grigory Rodchenkov, o diretor do laboratório antidoping do país durante os Jogos de Sochi, entre os envolvidos estão algumas das grandes estrelas russas da competição, incluindo 14 integrantes da equipe de esqui cross country e dois veteranos do bobsled que levaram dois ouros.

O jornal disse que não teve como verificar de forma independente o relato de Rodchenkov sobre a operação de doping. A Reuters não conseguiu verificar detalhes da matéria do New York Times.

Os especialistas de antidoping russos e membros dos serviços de inteligência substituíram as amostras de urina, segundo o jornal, citando Rodchenkov.