Linha de metrô do Rio vai parar para ajustes antes da Paralimpíada

sexta-feira, 13 de maio de 2016 18:00 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, importante meio para chegar ao Parque Olímpico nos Jogos de 2016, só vai ser inaugurada para um público restrito às vésperas da abertura do evento e, entre a Olimpíada e a Paralimpíada, vai ficar parada para ajustes, segundo a Secretaria Estadual de Transportes.

A ideia inicial era que a linha 4, que vai ligar a zona sul até a zona oeste (região da Barra e Deodoro), fosse inaugurada em julho, mas o novo prognóstico prevê a abertura para o dia 1 de agosto. Os Jogos Olímpicos começam no dia 5 de agosto.

“Foi um pequeno ajuste e não dá para chamar isso de atraso”, disse à Reuters o secretário Estadual de Transportes, Rodrigo Viana.

O metrô não estará aberto ao grande público e vai atender prioritariamente a atletas, delegações, torcedores com ingressos para a Olimpíada, imprensa e profissionais ligados aos Jogos.

Segundo Viana, o novo metrô vai estar operando durante a Olimpíada com aproximadamente metade da sua capacidade total. A previsão é que a linha 4 poderá operar com uma capacidade de 11 mil passageiros por hora.

“Estou garantindo segurança operacional ao início da linha 4 e ninguém abre uma linha e opera ela full (completa)“, afirmou o secretário à Reuters.

Após os Jogos, que terminam em 21 de agosto, a linha 4 vai ser novamente fechada para ajustes necessários, mas a promessa é que esteja operando durante a Paralimpíada, novamente de maneira restrita, em setembro.

“Tivemos problemas na liberação de financiamentos, o cronograma ficou apertado, justo, mas o metrô será entregue”, disse o governador licenciado, Luiz Fernando Pezão.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, acrescentou: “Acho completamente normal se começar um novo modal com uma carga menor. É assim em qualquer novo equipamento. Estamos fazendo isso com o VLT”.

A previsão é que no segundo semestre, “mais para o fim do ano”, segundo o secretário, a linha 4 já possa estar operando com a capacidade total de cerca de 300 mil pessoas por dia, ou 22 mil passageiros por hora.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)