Ex-dirigente nicaraguense da Fifa é extraditado aos EUA por acusação de corrupção

quarta-feira, 18 de maio de 2016 15:52 BRT
 

NOVA YORK/ZURIQUE (Reuters) - Julio Rocha, um ex-dirigente da Fifa da Nicarágua que foi responsável por supervisionar as atividades de desenvolvimento da entidade mundial de futebol na América Central, foi extraditado da Suíça aos Estados Unidos para enfrentar acusações decorrentes de uma ampla investigação sobre pagamento de subornos.     

William Sullivan, advogado de Rocha, confirmou que seu cliente foi extraditado e disse que ele irá se declarar inocente das acusações, que também incluem lavagem de dinheiro e fraude eletrônica.

O Escritório de Justiça Federal da Suíça (FOJ, na sigla em inglês) informou que dois policiais dos EUA se encarregaram de Rocha em Zurique e o acompanharam em um voo a Nova York.

Rocha, que também é ex-presidente da federação de futebol da Nicarágua, deve comparecer a um tribunal federal do Brooklyn, em Nova York, nesta quarta-feira para ser denunciado pelas acusações, que ainda incluem conspiração para extorquir.

O ex-dirigente é um dos 42 indivíduos e entidades acusados na investigação norte-americana sobre mais de 200 milhões de dólares em subornos e propinas solicitados por dirigentes de futebol para ceder direitos de marketing e de transmissão televisiva de partidas e torneios.

Ele foi um dos sete dirigentes presos em um hotel de Zurique em maio de 2015 em meio ao inquérito, que mergulhou a Fifa e outras entidades em uma crise. Até agora, 15 indivíduos e duas entidades privadas se declararam culpados.

(Por Nate Raymond e Brenna Hughes Neghaiwi)