Protestos de trabalhadores na França ameaçam Euro 2016

quinta-feira, 26 de maio de 2016 13:11 BRT
 

PARIS (Reuters) - O sindicato linha-dura francês CGT se empenhou em interromper os suprimentos de energia e combustíveis e prejudicar a rede de transporte público do país nesta quinta-feira, em uma queda de braços com um governo que se recusou terminantemente a desistir de uma polêmica reforma trabalhista.

O CGT alertou o governo socialista que o torneio de futebol Euro 2016, que começa na França no dia 10 de junho, pode ser interrompido se Paris não voltar atrás.

Enquanto dezenas de milhares de manifestantes tomavam as ruas, trabalhadores atenderam ao apelo do sindicato cruzando os braços em refinarias de petróleo, usinas nucleares e ferrovias, além de montarem barricadas em estradas e queimar pellets de madeira e pneus em portos essenciais, como o de Le Havre, e perto de grandes centros de distribuição.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, insistiu que o governo não irá retirar a lei e que irá desmantelar os bloqueios nas refinarias, dizendo que pode haver alguns ajustes nas reformas, mas não em qualquer um de seus pontos principais. Valls recebeu o apoio do outro grande sindicato de comerciários do país, o CFDT.

Depois de meses de greves em esquema de rodízio, desencadeados por uma reforma que almeja tornar contratações e demissões mais fáceis, os bloqueios e manifestações de rua desta quinta-feira foram observados atentamente como um teste que irá mostrar se a oposição encabeçada pelo CGT é consistente ou corre o risco de perde fôlego.

Os protestos de rua contaram com a adesão de dezenas de manifestantes de um grupo de jovens chamado Nuit Debout. A polícia se mobilizou para se contrapor ao risco de episódios de violência às margens dos protestos, nos quais 350 policiais e vários manifestantes ficaram feridos. Mais de 1.300 pessoas foram presas em passeatas semelhantes nas últimas semanas.

O chefe do CGT, Philippe Martinez, quando indagado pela Reuters se seu sindicato está disposto a atrapalhar o andamento da Euro 2016, respondeu: "O governo tem tempo para dizer 'parem o relógio', e aí tudo ficará bem".

Jean-Claude Mailly, líder do FO, sindicato de menor porte que também está protestando, disse no início de uma marcha em Paris: "Na linguagem do futebol, está na hora de o primeiro-ministro receber o cartão vermelho".

(Reportagem adicional de Andrew Callus, Bate Felix, Simon Carraud em Paris e correspondentes na França)

(Por Brian Love e Ingrid Melander)