Presidente da Fifa não enfrenta procedimentos formais por conduta antiética, diz comitê da entidade

quinta-feira, 2 de junho de 2016 18:58 BRT
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - O comitê de ética da Fifa disse que não há procedimentos formais contra Gianni Infantino, o recém-eleito presidente da entidade, depois de um jornal alemão ter relatado que ele estava diante de uma suspensão provisória por conduta antiética.

No entanto, o comitê não confirmou nem negou se investigações preliminares que antecedem uma investigação formal haviam ocorrido.

O jornal alemão Die Welt afirmou nesta quinta-feira que Infantino, eleito em fevereiro para liderar a Fifa em meio à pior crise de corrupção da sua história, enfrentava investigações por conta de possíveis violações éticas.

"Nós não estamos na posição de indicar se nós temos ou não investigações preliminares contra um indivíduo”, declarou a seção investigatória do comitê de ética num comunicado à Reuters. “Nós gostaríamos contudo de dizer que não há procedimentos formais em andamento contra Infantino.”

O Die Welt disse ter visto e-mails que sugeriam que Infantino havia ordenado que autoridades da Fifa apagassem registros de uma reunião polêmica do conselho da entidade, o antigo comitê executivo, antes do congresso do mês passado na Cidade do México.

Ao mesmo tempo, o jornal suíço Tagesanzeiger publicou cópias de e-mails que, segundo o jornal, foram trocados entre autoridades da Fifa e os quais confirmariam que eles estavam obedecendo as instruções para apagar registros.

A Fifa afirmou num comunicado nesta quinta que um registro havia sido apagado porque foi armazenado de forma imprópria, mas que o áudio original ainda existia e estava arquivado.