Voltar a estádio do tetra desperta emoções conflitantes em Dunga após empate com Equador

domingo, 5 de junho de 2016 16:56 BRT
 

Por Mark Lamport-Stokes

PASADENA, EUA (Reuters) - Para o técnico Dunga, voltar para o icônico Rose Bowl Stadium trouxe emoções conflitantes durante a partida de estreia da seleção brasileira na Copa América.

Há 22 anos, no mesmo estádio, Dunga foi capitão da seleção que conquistou o tetracampeonato mundial ao vencer a Itália na final em uma disputa de pênaltis.

"Foi o dia mais feliz da minha vida como jogador de futebol", disse ele com um sorriso.

Mas, na partida de abertura do Brasil no torneio, contra o Equador, a seleção teve um desempenho sem brilho, empatando a partida em 0 x 0.

"Temos que melhorar tudo", disse Dunga a repórteres, falando através de um tradutor, após nenhuma das duas equipes ter conseguido dominar a partida. "Não se trata-se apenas de ataque ou defesa, temos que melhorar como equipe."

"Sabíamos como o Equador ia jogar, a maneira como seus jogadores atuam taticamente. Eles estavam muito focados durante a partida. Nós criamos oportunidades, mas o gol não veio."

O Brasil, oito vezes campeão da Copa América, quase marcou no início da partida, mas o goleiro equatoriano Esteban Dreer salvou uma tentativa de Philippe Coutinho, e Lucas Moura quase marcou de cabeça mais para o final.

Ficou claro que o Brasil sentiu a falta de Neymar, que ficará de fora da Copa América para disputar os Jogos Olímpicos, e assistiu à partida de sábado de uma posição privilegiada do estádio.    Continuação...