Nova pesquisa revela risco baixo de disseminação do Zika durante Rio 2016

terça-feira, 7 de junho de 2016 10:50 BRT
 

Por Julie Steenhuysen

CHICAGO (Reuters) - Uma nova pesquisa que tentou calcular o risco de disseminação do Zika vírus na Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016 pode tranquilizar os organizadores e cerca de 500 mil atletas e torcedores estrangeiros que visitarão o Brasil, epicentro da epidemia, para os Jogos de agosto.

A controvérsia a respeito da aglomeração de pessoas no evento esportivo cresceu à medida que a doença passou a ser mais conhecida. O vírus transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti causa má-formação cerebral em bebês e foi ligado à doença neurológica conhecida como síndrome de Guillain-Barré em adultos.

Reconhecendo a preocupação, a Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma reunião de especialistas em Zika para avaliar o risco de transmissão representado pela Olimpíada.

O debate tem transcorrido praticamente sem modelos de cálculo do perigo para os turistas presentes aos Jogos. Novas projeções obtidas pela Reuters levam a crer que o risco é pequeno.

Um grupo de pesquisa de São Paulo previu que a Rio 2016 não irá resultar em mais do que 15 infecções de Zika entre visitantes estrangeiros, de acordo com dados vistos pela Reuters.

A projeção ecoa a de outro grupo de cientistas brasileiros, também da Universidade de São Paulo (USP), em um estudo publicado no periódico científico Epidemiology & Infection em abril. A análise revelou que a Olimpíada não irá provocar mais do que 16 casos adicionais da doença.

Nenhum estudo tentou medir o risco representado por até mesmo um único espectador da Rio 2016 portando o vírus ao viajar de volta para um país vulnerável – uma das maiores preocupações que motivaram clamores recentes pelo adiamento ou transferência da sede dos Jogos.

Mas uma equipe de epidemiologistas do governo dos Estados Unidos calculou que os espectadores da Olimpíada representariam 0,25 por cento do risco total de disseminação do Zika através de viagens aéreas. A cifra se baseou em dados de 2015 que mostraram que cerca de 240 milhões de pessoas entraram e saíram de áreas que hoje têm um quadro ativo de transmissão.   Continuação...

 
Mulher em frente cartaz sobre Zika na sede da ONU, em Genebra.   23/05/2016        REUTERS/Denis Balibouse