Procurador espanhol quer que Neymar seja acusado de fraude

terça-feira, 7 de junho de 2016 16:57 BRT
 

MADRI (Reuters) - Procuradores públicos da Espanha querem que Neymar enfrente acusações de fraude e corrupção por sua transferência do Santos para o Barcelona, há três anos.

Ambos clubes foram criticados pela maneira que a transferência foi realizada em 2013, com diversas investigações realizadas na Espanha e no Brasil.

O procurador estatal José Perals Calleja iniciou nesta terça-feira procedimentos preliminares no Supremo Tribunal da Espanha para que Neymar, seu pai e empresário, Neymar da Silva Santos, o ex-presidente do Barcelona Sandro Rossell e o ex-presidente do Santos Odílio Rodrigues respondam por acusações de fraude e corrupção.

A mãe de Neymar, Nadine Gonçalves, que possui 50 por cento de participação na companhia da família N&N Consultoria Esportiva e Empresarial Ltda, também é citada por ter se beneficiado financeiramente da suposta corrupção.

A investigação mais recente tem relação com uma queixa oficial feita pelo grupo brasileiro de investimento DIS, que possuía 40 por cento dos direitos esportivos de Neymar quando o jogador foi para o Barcelona.

O grupo reivindica que recebeu menos dinheiro do que deveria da transação, à medida que o Barcelona ocultou o valor real do negócio. O Barcelona declarou que gastou 57,1 milhões de euros no jogador, enquanto Perals diz que o verdadeiro valor foi de 83 milhões.

"Eles fizeram isto por conta de um plano estratégico para controlar despesas e reduzir dívidas, porque o conselho de diretores (do Barcelona) já tinha fixado uma quantia (de 70 milhões de euros) para contratações (na temporada 2013-2014)", disse Perals.

O Barcelona e Neymar negam qualquer ato irregular.

Em comunicado, as empresas N&N Consultoria e NR Sports informaram que quando forem notificadas, elas e "as pessoas físicas envolvidas prestarão todos os esclarecimentos necessários à Justiça espanhola, como tem sido feito desde as primeiras acusações proferidas pela DIS".   Continuação...

 
Atacante Neymar, do Barcelona, durante final da Copa do Rei, contra o Sevilla, em Madri. 22/05/2016 REUTERS/Juan Medina