9 de Junho de 2016 / às 23:52 / um ano atrás

Metrô para Olimpíada vai ser aberto sem segurança confiável, diz Tribunal de Contas do RJ

Homem caminha em linha do metrô sendo construída no Rio. 24/2/2016.Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A segurança dos usuários da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro durante a Olimpíada está ameaçada, de acordo com um relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) apresentado nesta quinta-feira, que argumenta que o atraso nas obras reduziu o período de testes do meio de transporte.

Segundo o presidente do TCE-RJ, Jonas Lopes de Carvalho, a previsão inicial era que a fase de testes da Linha 4 deveria durar cerca de um ano antes da abertura ao público, mas, com o atraso nas obras, esse período foi encurtado para apenas dois meses.

"Isso é preocupante”, disse Carvalho a jornalistas. “A nossa sugestão é que o Estado se organize para que não ocorra nenhum acidente durante os Jogos, mas a operação deveria começar com uma capacidade menor do que o Estado está prevendo”, acrescentou.

Considerado o principal projeto de legado de transporte para o Rio em consequência dos Jogos Olímpicos, a expansão do metrô até a Barra da Tijuca enfrenta problemas de financiamento que tiveram impacto no andamento das obras.

A previsão atual é que o novo trecho só comece a operar em 1º de agosto, às vésperas do Jogos que serão abertos no dia 5 do mesmo mês. Além disso, a Linha 4 irá operar de forma restrita e só para a família olímpica, incluindo torcedores com ingressos para provas dos Jogos.

Segundo o presidente do TCE-RJ, a abertura do metrô antes da Olimpíada é uma decisão política e o governo do Estado deveria avaliar melhor se é seguro o funcionamento da Linha 4 durante os Jogos.

“O plano de contingência tem falhas... Se um trem der problema, as pessoas vão ter que descer e andar pela linha do metrô. Isso ficaria muito feio para o país e para a imagem lá fora”, disse Carvalho.

O relatório feito por técnicos do TCE atesta ainda que o ritmo acelerado das obras para tirar o atraso no cronograma e o grande volume de serviços suscitam dúvidas sobre "a suficiência do tempo reservado para todos os ajustes e testes necessários para a realização de uma operação segura e confiável".

Procurada, a Secretaria Estadual de Transportes informou que o período exigido para a realização de testes do sistema e do material rodante foi iniciado dentro do prazo determinado, respeitando o que está disposto no contrato de concessão.

O estudo do TCE também levantou suspeitas sobre os gastos totais de cerca de 10 bilhões de reais na Linha 4 do metrô, mas o presidente do tribunal disse que ainda não se pode afirmar que houve irregularidades.

Para concluir a obra do metrô a tempo para os Jogos Olímpicos, o Estado do Rio depende de um empréstimo de quase 1 bilhão de reais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas a inadimplência do governo estadual em outros financiamentos devido a uma grave crise financeira enfrentada pelo Estado suspendeu a liberação desses recursos.

O secretário da Fazenda do Estado, Julio Bueno, disse à Reuters nesta quinta-feira que está conversando com o governo federal sobre a liberação dos recursos.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below