10 de Junho de 2016 / às 22:17 / um ano atrás

Estudos encontram 'superbactérias' em praias e lagoa da Rio 2016

Homem chuta bola enquanto sistema de esgoto flui na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. 09/06/2016Sergio Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Cientistas encontraram "superbactérias" perigosas e resistentes a remédios em praias do Rio de Janeiro que irão sediar eventos de natação olímpicos e em uma lagoa onde atletas de remo e canoagem irão competir quando a Olimpíada de 2016 começar no dia 5 de agosto.

As descobertas, que afetam os pontos turísticos mais populares da cidade, aumentam e muito as áreas que se sabe estarem infectadas pelos micróbios encontrados normalmente em hospitais. Elas também aprofundam os temores de que as vias aquáticas do Rio, já infestadas pelo esgoto, não sejam seguras.

Um estudo publicado no final de 2014 mostrou a presença da superbactéria – classificada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) como uma ameaça de saúde pública urgente – em uma das praias da Baía da Guanabara, onde acontecerão provas de vela e windsurf.

Um novo estudo visto pela Reuters revelou a incidência de micróbios em cinco das praias mais procuradas do Rio, entre elas Copacabana, que sediará competições de natação em mar aberto e triatlo. As outras quatro são Ipanema, Leblon, Botafogo e Flamengo.

A superbactéria pode causar infecções urinárias, gastrointestinais, pulmonárias e na corrente sanguínea que são difíceis de tratar, além de meningite. Segundo o CDC, estudos mostram que a bactéria contribui para a morte de mais de 50 por cento dos pacientes infectados.     

Um estudo separado do laboratório da Fundação Oswaldo Cruz que será publicado no mês que vem pela Sociedade Americana de Microbiologia descobriu genes da super bactéria na lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio, e em um rio que deságua na Guanabara.

Os dejetos de incontáveis hospitais, somados aos de centenas de milhares de lares, vão parar nas bocas de lobo, rios e córregos que se entrecruzam na metrópole – o que permitiu a proliferação da super bactéria fora dos hospitais nos últimos anos.

Renata Picão, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e principal pesquisadora do primeiro estudo, afirmou que a contaminação das praias mais famosas do Rio é resultado da falta de saneamento básico na área metropolitana de 12 milhões de pessoas.

"Estas bactérias não deveriam estar presentes nestas águas. Elas não deveriam estar presentes no mar", disse Renata de seu laboratório na zona norte do Rio, ele mesmo cercado pelo fedor da Guanabara.

Limpar as águas da cidade deveria ser um dos maiores legados dos Jogos e foi uma das grandes promessas do documento de 2009 que apresentou a capital fluminense como candidata para a primeira Olimpíada da América do Sul.

Mas esse objetivo se transformou em um fracasso constrangedor. Os atletas lamentam o cheiro de esgoto e se queixam dos restos que se chocam e grudam nos barcos na Baía da Guanabara, riscos em potencial para competições justas.

A situação é tão ruim que a Polícia Federal e promotores estão investigando se a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio (Cedae) está cometendo crimes ambientais por mentir sobre como a maior parte do esgoto é tratada. Os investigadores também estão verificando onde foram parar bilhões de dólares investidos desde os anos 1990, verbas destinadas para serviços de esgoto e para a limpeza da Guanabara.

A Cedae vem negando reiteradamente qualquer irregularidade, e disse em um comunicado enviado por e-mail que qualquer superbactéria encontrada em praias e na lagoa olímpicas devem ser resultantes de lixo lançado nas bocas de lobo.

“A Cedae esclarece que toda a região da zona sul do Rio de Janeiro é atendida por rede de coleta e tratamento de esgoto da Cedae, e qualquer eventual lançamento na região é proveniente de ligação clandestina”, disse a empresa em comunicado.

'COMO DOCES'

Cinco cientistas consultados pela Reuters disseram que o risco imediato para a saúde diante de uma infecção de superbactérias depende do estado do sistema imunológico da pessoa contaminada.

Os micróbios são organismos oportunistas que podem entrar no corpo, ficar dormentes e atacar mais adiante, quando uma pessoa saudável ficar doente por outra razão.

A superbactéria infecta não só humanos, mas também bactérias inofensivas presentes nas águas, transformando-as em germes resistentes a antibióticos.

Valerie Harwood, professora da Universidade do Sul da Flórida e especialista em contaminação de águas recreativas e em bactérias resistentes a antibióticos, disse que os genes da superbactéria descobertos na lagoa olímpica provavelmente não são daninhos em si mesmos se engolidos, já que precisam se desenvolver dentro de uma bactéria.

"Estes genes são como doces. São moléculas orgânicas e serão devoradas por outras bactérias, outros organismos", disse. "É aí que mora o perigo – se a pessoa ingerir um organismo infectado depois – porque ele irá para o trato gastrointestinal e pode fazer a pessoa adoecer".

A presença dos genes da superbactéria na lagoa indica que as próprias bactérias morreram recentemente ou simplesmente não foram detectadas no teste, afirmou a professora Valerie.

Especialistas de saúde sustentam que o tratamento de água poluída deficiente do Rio já criou níveis endêmicos de doenças associadas ao esgoto que afetam os pobres da cidade desproporcionalmente, incluindo problemas gastrointestinais e respiratórios, hepatite tipo A e moléstias cardíacas e cerebrais graves.

O comitê organizador da Rio 2016 encaminhou as perguntas sobre a qualidade das águas às autoridades estaduais.

O Instituto Estadual do Ambiente do Rio (Inea) disse em um comunicado por e-mail que segue as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para os exames de segurança de águas recreativas – o que não inclui a busca por superbactérias. A agência ainda disse haver uma carência de estudos a respeito dos efeitos das bactérias na água e na saúde.

        

PESQUISA REVELADORA

O estudo de Renata Picão analisou amostras de água colhidas entre setembro de 2013 e setembro de 2014. 

O estudo foi apresentado e revisado por importantes cientistas na Conferência Interciência de Agentes Antimicrobiais e Quimioterapia, realizada em San Diego, em setembro, e atualmente passa por revisões internas na UFRJ.

Usando 10 amostras tiradas de cinco praias, a análise descobriu que as superbactérias estão mais presentes na praia de Botafogo – onde todas as amostras deram resultado positivo.

A praia do Flamengo tinha superbactérias em 90 por cento das amostras. Copacabana deu um resultado positivo.

Ipanema e Leblon, as praias mais populares entre os turistas, renderam provas positivas de superbactéria 50 e 60 por cento das vezes, respectivamente.

O estudo da Oswaldo Cruz sobre a lagoa olímpica se baseia em amostras de água colhidas em 2013. A fundação disse que o lago é um criadouro em potencial para as superbactérias e sua disseminação pela cidade.

Embora os dois estudos se baseiem em amostras de água tiradas mais de dois anos atrás, Renata e outros especialistas afirmam que não viram avanços na infraestrutura de esgoto que possam proporcionar uma melhoria na situação.

Tanto Renata quanto Valerie disseram que, se as coisas mudaram, foi para pior, já que a superbactéria se dissemina naturalmente infectando outros micróbios.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below