Embargo de arena olímpica de vôlei em Copacabana é de fácil solução, diz Paes

segunda-feira, 13 de junho de 2016 16:53 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), afirmou nesta segunda feira que o embargo da arena olímpica de vôlei de praia, em Copacabana, é de fácil solução e que não será um problema para a preparação final da cidade para os Jogos Olímpicos que começam em 5 de agosto.

A obra foi embargada e o canteiro amanheceu o sábado vazio pois o comitê organizador Rio 2016 não apresentou uma licença de instalação necessária para a continuidade dos trabalhos.

Paes afirmou que uma reunião entre representantes do comitê e a Secretaria de Meio Ambiente da cidade deve solucionar as pendências.

“Não é um problema de solução complicada . Isso já está sendo resolvido. Parece que é de fácil solução”, afirmou o prefeito a jornalistas.

Segundo o diretor de Comunicação do Rio 2016, Mario Andrada, a documentação necessária foi entregue nesta segunda e a expectativa é de que a situação esteja regularizada até a terça-feira.

De acordo com Paes, não foi a primeira vez que o comitê Rio 2016 deixou de apresentar uma licença que resultou no embargo da obra.

“O embargo foi por falta de licença ambiental. Não tem a ver com outra coisa como ressaca ou algo do gênero. A questão ambiental está sendo resolvida para se liberar a retomada das obras”, disse Paes.

A ressaca que atingiu a orla do Rio de Janeiro, também em Copacabana, alcançou uma área próxima ao local onde foram montados estúdios de TV na areia da praia. Os estúdios foram montados em um local da praia de Copacabana conhecido pelas ondas mais altas e mar mais agitado em tempos de ressaca.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
Área de construção da arena olímpica de vôlei de praia em Copacabana, no Rio de Janeiro. 13/06/2016 REUTERS/Ricardo Moraes