Tite admite risco de Brasil ficar fora da Copa do Mundo

segunda-feira, 20 de junho de 2016 19:32 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O novo técnico da seleção brasileira, Tite, assumiu o cargo oficialmente nesta segunda-feira com um discurso diferente do otimismo mostrado por seus antecessores e admitiu que o Brasil corre o risco de ficar fora de uma Copa do Mundo pela primeira vez.

O Brasil acumula vexames nos últimos anos, como o fracasso na Copa de 2014 e, mais recentemente, eliminação na fase de grupos da Copa América Centenário. No momento, o time ocupa a sexta colocação nas eliminatórias e está fora da zona de classificação para o Mundial de 2018.

“O foco é a eliminatória. Acredito que vai dar. Claro que se corre o risco de não classificar. Não dá para fugir da realidade. Vim para cá até por um resultado que não veio“, disse Tite na sua primeira entrevista coletiva como treinador da seleção.

Ciente da pressão e do compromisso de colocar o Brasil na Copa do Mundo, Tite abriu mão de dirigir a seleção olímpica do Brasil nos Jogos do Rio para focar nas eliminatórias para o Mundial da Rússia. “Era fácil agendar uma situação e depois trazer os louros. Se ganho, tenho louros; se não, tenho desculpa pronta: assumi em cima da hora“, declarou.

“Esses dois próximos jogos (nas eliminatórias, contra Equador e Colômbia) e classificação são prioridade“, completou o treinador, que pretende acompanhar nos Estados Unidos o desempenho da Colômbia na semifinal da Copa América.

Tite chega à seleção com apoio de torcida e mídia, mas nem por isso tranquilo com o início de trabalho. Nervoso na primeira coletiva, Tite chegou a dizer que perdeu o sono antes do acerto com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e que entrou na sede da entidade com pernas e joelhos bambos.

O ex-treinador do Corinthians foi anunciado como novo comandante do Brasil pelo presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, contra quem ele assinou um manifesto no ano passado, ao defender mudanças profundas no futebol que passariam pela alteração no comando da CBF.

“Respeito condições contrárias e me foi dada atribuição como técnico e essa é a melhor maneira de dar minha contribuição para o futebol, que é aquilo que eu sei. Transparência, democratização continuam como princípios meus”, disse. “Posições contrárias e críticas fazem parte do jogo e da vida.“

  Continuação...

 
Tite concede entrevista na sede da CBF.  20/6/16.  REUTERS/Sergio Moraes