Nuzman lamenta descredenciamento de laboratório antidoping; espera regularização até Olimpíada

terça-feira, 5 de julho de 2016 14:01 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O descredenciamento do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem no mês passado por resultados supostamente errados é um fato triste para o Brasil, avaliou nesta terça-feira o presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Nuzman, que disse ao mesmo tempo esperar que a situação do laboratório junto à Agência Mundial Antidoping (Wada) seja regularizada antes da Olimpíada, que começa em um mês.

Uma equipe da Wada deve visitar o laboratório brasileiro a partir desta semana e, segundo Nuzman, como o descredenciamento foi temporário, a expectativa é de que ele possa ser recredenciado para realizar os exames antidoping durante a Olimpíada.

“Acho essa situação triste e fico chateado com isso”, disse Nuzman a jornalistas após a inauguração do Museu da Cidade Olímpica, ao lado do Estádio Olímpico do Rio, que será palco de provas de atletismo e partidas de futebol.

Nuzman lembrou que o governo federal fez grandes investimentos e gastou “uma fortuna” para habilitar o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) para os Jogos do Rio.

“Os aparelhos são moderníssimos, o governo federal gastou uma fortuna, mas houve um erro... E agora tem uma comissão da Wada analisando. Vamos aguardar a decisão deles. A minha expectativa é que tenha uma solução (até os Jogos). É o que eu acho que vai acontecer”, disse o dirigente.

Durante a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, a falta de um laboratório credenciado internacionalmente no país fez com que os exames antidoping de atletas fossem realizados fora do Brasil, o que gerou muitas críticas e estimulou os esforços para equipar o LBCD.

A um mês do início da Olimpíada, Nuzman disse que os Jogos poderiam começar agora, uma vez que as arenas estão prontas para as competições.

“O Rio está pronto para fazer história e os Jogos podem começar, porque as áreas de competição estão prontas. Agora são os ajustes”, declarou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
Presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Nuzman, discursa ao lado da chama olímpica no museu olímpico em Lausanne, na Suíça
29/04/2016 REUTERS/Denis Balibouse