Alemanha lembra goleada no Brasil para eliminar receio com mando de campo francês

quarta-feira, 6 de julho de 2016 17:52 BRT
 

Por Mitch Phillips

MARSELHA (Reuters) - Na história do futebol nunca houve uma anulação tão devastadora da suposta vantagem de jogar em casa como na humilhante goleada de 7 x 1 imposta pela Alemanha ao Brasil na semifinal da Copa do Mundo de 2014, então enfrentar a dona da casa França em Marselha na semifinal da Eurocopa não causa nenhum temor nos atuais campeões mundiais.

O surpreendente resultado em Belo Horizonte, particularmente os cinco gols marcados nos primeiros 30 minutos que chocaram o mundo, enfatizam a força mental alemã e a confiança da equipe em sua própria capacidade de enfrentar qualquer adversário em quaisquer circunstâncias.

O último título europeu da Alemanha também aconteceu depois de a equipe eliminar os anfitriões na semifinal, embora a vitória nos pênaltis sobre a Inglaterra em Wembley há 20 anos tenha sido um jogo bem mais nervoso.

Toni Kroos, que marcou dois dos cinco primeiros gols anotados pelos alemães sobre o Brasil, sinalizou que a França pode ter uma desvantagem similar provocada pelo peso da expectativa na partida de quinta-feira.

"Vimos a onda de entusiasmo por eles, mas com isso também vem pressão e talvez possamos usar isso contra eles", disse Kroos em entrevista coletiva no estádio Velodrome, em Marselha, pouco mais de 24 horas antes do duelo por uma vaga na final da Euro. "Temos muito respeito pela França, eles melhoraram ao longo do torneio e tem grandes qualidades individuais, mas não temos medo deles."

O técnico da seleção da Alemanha, Joachim Loew, minimizou a importância da semifinal da Copa do Mundo para a partida pela competição europeia. "Aquela foi uma constelação que não vai aparecer em uma semifinal de novo", disse.

"Os brasileiros ficaram em choque quando sofreram dois ou três gols em poucos minutos", acrescentou. "A França é muito mais sólida defensivamente do que o Brasil era há dois anos, então realmente não há muito o que se tirar daquele jogo de dois anos atrás."

 
Técnico Joachim Loew durante treino da Alemanha.  5/7/16.  REUTERS/Denis Balibouse