Neymar lamenta decisão de Messi e admite responsabilidade na Rio 2016

domingo, 10 de julho de 2016 09:57 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O atacante Neymar lamentou a decisão de Lionel Messi de não jogar mais pela seleção argentina e reconheceu ter uma responsabilidade grande em comandar o Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.  

"Futebol sem Messi não é futebol. Messi é meu amigo, eu sou fã do Messi e quero vê-lo feliz. Respeito sua decisão, mas futebol sem Messi é muito difícil”, disse Neymar a jornalistas no sábado, durante evento na Praia Grande, litoral de São Paulo.

Messi anunciou que não jogará mais pela Argentina após sua seleção perder para o Chile na final da Copa América Centenário, no mês passado, nos pênaltis. O capitão argentino desperdiçou sua cobrança e ficou abalado ao cair em mais uma decisão com a seleção – foi derrotado também nas finais da Copa América do ano passado e no Mundial de 2014.

Mesmo antes da decisão de Messi, já estava previsto que ele não disputaria a Rio 2016, ao contrário de seu companheiro de Barcelona, Neymar, que terá a missão de liderar a seleção brasileira em busca de seu primeiro ouro olímpico.

“Sei que a responsabilidade é grande, mas temos que estar tranquilos, jogar nosso futebol, ter alegria para jogar e conquistar o ouro olímpico, porque para nós é muito importante”, disse o atacante.

Neymar esteve nos Jogos de Londres, em 2012, quando o Brasil perdeu a decisão para o México e ficou com a medalha de prata. Apesar de admitir a responsabilidade de conquistar um título inédito dentro de casa, o atacante não se vê pressionado.

"Não vejo como pressão, e sim como um sonho realizado, uma honra e uma oportunidade grande para defender o meu país e mais uma vez disputar uma Olimpíada e ter a oportunidade de vencer. Tem um significado muito especial”, declarou ele, que é um dos atletas com mais de 23 anos na equipe, ao lado do goleiro Fernando Prass e do meia-atacante Douglas Costa.

Na Olimpíada do Rio, no mês que vem, o Brasil terá Rogério Micale como técnico, após a demissão de Dunga, que acumulou maus resultados à frente da seleção principal e acabou sendo substituído por Tite.

O ex-técnico do Corinthians, no entanto, preferiu deixar a equipe olímpica nas mãos de Micale, que vinha comandando o time em amistosos.   Continuação...