Barcelona confia em permanência de Messi e pede apoio dos torcedores

segunda-feira, 11 de julho de 2016 19:52 BRT
 

(Reuters) - Lionel Messi não está interessado em deixar o Barcelona após ser condenado por fraude fiscal, de acordo com o porta-voz do clube Josep Vives.

Um tribunal de Barcelona condenou na semana passada Messi e seu pai a 21 meses de prisão e estabeleceu multas aos dois de 2 milhões e 1,5 milhão de euros, respectivamente, por fraude fiscal.

Eles não irão para a prisão, segundo a lei espanhola, pois são primários e receberam sentença de menos de dois anos por um crime não violento. Ambos já recorreram à suprema corte.

Relatos da mídia na Inglaterra informaram recentemente que o pai de Messi e o agente Jorge se encontraram com dono do Chelsea, Roman Abramovich, em um iate, gerando preocupações sobre se o astro permanecerá no Barça.

"Temos mantido contato com seus representantes e não temos conhecimento que Leo quer deixar o clube, nós simplesmente não temos essa sensação", disse Vives a repórteres na Espanha nesta segunda-feira.

"Nós não estamos preocupados com isso, nada chegou até nós para sugerir que este é o caso."

Vives, por sua vez, pediu aos torcedores para "expressar simpatia" ao argentino, se unindo em uma campanha de mídia social lançada pelo clube chamada "Somos todos Leo Messi".

"É uma campanha simples, mas esperamos que ela mostre o quanto nós o apoiamos", afirmou Vives ao site oficial do clube.

"Estamos falando de Messi, um jogador que tinha 19 anos quando assinou todos esses contratos e ficou provado que ele não tinha conhecimento de todos os seus detalhes. Ele foca apenas no futebol e assinou os contratos seguindo orientação de seus conselheiros."

"Messi está sendo tratado injustamente e o clube está se colocando em uma posição de defendê-lo. Temos uma consciência limpa e não vamos recuar. Estamos convidando os torcedores a se juntar à nossa campanha", acrescentou.

(Reportagem de Cindy Garcia)

 
Lionel Messi, do Barcelona, comemora gol contra o Sevilla durante partida da UEFA Super Cup em Tbilisi, na Geórgia
11/08/2015
REUTERS/Grigory Dukor/File Photo