Banimento total da Rússia da Rio 2016 é improvável, diz presidente do COI

quarta-feira, 13 de julho de 2016 16:48 BRT
 

Por Mitch Phillips

LONDRES (Reuters) - Praticantes de um esporte não podem ser punidos pelos pecados cometidos por representantes de outra modalidade, disse o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, nesta quarta-feira, minimizando as especulações de que a Rússia poderia ser impedida de participar da Olimpíada do Rio por prática sistemática de doping.

A Agência Mundial Antidoping (Wada) deve divulgar um relatório na próxima segunda-feira apresentando as descobertas de sua investigação sobre as alegações de que um sistema estatal russo ajudou atletas usuários de doping a escapar da detecção durante os Jogos de Inverno de Sochi, em 2014.

O diretor-chefe da Agência Antidoping dos Estados Unidos, Travis Tygart, é uma das várias pessoas que disseram que, se o relatório de fato confirmar que as acusações de doping sistemático são verdadeiras, a Rússia deveria ser banida completamente da Rio 2016.

Os integrantes da equipe de atletismo da Rússia já estão impedidos de disputar os Jogos Olímpicos em resultado do esquema estatal de dopagem.

Mas o presidente do COI afirmou: "É óbvio que você não pode punir um jogador de badminton por uma infração das regras cometida por uma autoridade ou um diretor de laboratório nos Jogos de Inverno".

"Da mesma maneira, não cogitaríamos sancionar todos os atletas de um esporte em particular se houve uma manipulação das regras cometida pela liderança de uma federação. O que temos que fazer é tomar decisões baseados em fatos e descobrir o equilíbrio certo entre a responsabilidade coletiva e a justiça individual", acrescentou.

Falando durante uma teleconferência com agências de notícias internacionais, Bach disse não querer especular sobre quais medidas poderiam ser adotadas até haver indícios de qualquer infração comprovada.

Ele acrescentou que o COI está ciente de que várias federações já começaram a realizar exames adicionais em atletas russos e a fazer com que suas amostras sejam enviadas para serem examinadas fora do país como forma de obter confiança nos resultados.

Bach disse ainda estar ansioso pelos Jogos do Rio, que começam em 5 de agosto, e afirmou que o COI fez sua parte ajudando os organizadores durante um período difícil.

"O COI vem demonstrando solidariedade com nossos parceiros brasileiros em meio à crise financeira, social, econômica e política do país", afirmou.  "Haverá um Rio e um Rio melhor após os Jogos".