Equipe australiana elogia "progressos" da Vila Olímpica e planeja mudança na 4a-feira

segunda-feira, 25 de julho de 2016 20:47 BRT
 

Por Daniel Flynn

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A delegação olímpica da Austrália no Rio de Janeiro disse nesta segunda-feira que os organizadores dos Jogos fizeram um progresso "fantástico" em resposta às preocupações sobre as instalações inacabadas da Vila Olímpica e que a equipe espera se transferir para o local na quarta-feira.

A pouco menos de duas semanas do início dos Jogos em 5 de agosto, a delegação australiana afirmou no domingo que não se mudaria para a Vila Olímpica por causa de problemas no encanamento e na fiação elétrica, que tornavam os quartos inabitáveis.

As reclamações da Austrália, que decidiu colocar integrantes da sua delegação em hotéis próximos, retomaram a preocupação sobre a capacidade do Brasil de sediar um grande evento esportivo em meio à sua pior recessão em décadas e uma profunda crise política.

    No entanto, a chefe da equipe olímpica australiana, Kitty Chiller, agradeceu aos organizadores nesta segunda-feira por responder prontamente às suas preocupações, disponibilizando centenas de pessoas de manutenção e de limpeza.

    "Houve progressos fantásticos feitos hoje", disse Chiller em entrevista coletiva no centro de mídia dos Jogos Olímpicos. "Está parecendo, de acordo com nosso plano, que poderemos transferir todo mundo na quarta-feira."

    A vila recém-construída vai acolher mais de 18.000 atletas, dirigentes, funcionários e voluntários nos Jogos Olímpicos (5 a 21 de agosto) e Paralímpicos (7 a 18 de setembro).

Chiller afirmou que sua equipe identificou cerca de 200 problemas com o alojamento no fim de semana - incluindo água escorrendo pelas paredes, pisos sujos e um forte cheiro de gás - mas a lista agora diminuiu para poucos ítens.

    A Austrália, que terminou em oitavo no quadro de medalhas em Londres há quatro anos, vai trazer 410 atletas para os Jogos.   Continuação...

 
Banners marcando a acomodação dos atletas australianos pendurados na fachada da Vila Olímpica Rio 2016 no Rio de Janeiro, Brasil
23/07/16
REUTERS/Stoyan Nenov