28 de Julho de 2016 / às 17:47 / em um ano

Dupla carioca do vôlei de praia Pedro e Evandro conta com vantagem de jogar em casa

Pedro Solberg durante jogo na Áustria. 3/8/2007.Dominic Ebenbichler

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Mais do que qualquer outra dupla do vôlei de praia, Pedro Solberg e Evandro podem chamar de casa as areias da zona sul carioca, onde serão disputadas as partidas da Rio 2016, e garantem que a pressão da torcida será um impulso para o desempenho.

Embora estreante em Jogos Olímpicos, a dupla de cariocas, atualmente quarta melhor do mundo, é cotada para ganhar medalhas, após a conquista do bronze no mundial de 2015.

"A gente tem o grande fator de estar jogando em casa, com nossa família, com nossos amigos. Isso é um fator que pesa bastante, mas pesa para melhor", disse Evandro, após treino no Rio de Janeiro nesta quinta-feira.

"Mas medalha garantida a gente não pode falar que tem. A gente vai buscar nosso sonho", acrescentou.

Filho da campeã mundial de vôlei de praia Isabel, Pedro afirma que Copacabana, "berço" do vôlei de praia, vai ser uma boa oportunidade para a dupla mostrar seu potencial.

"É o melhor lugar do mundo. Copacabana é um dos lugares onde o vôlei de praia se iniciou como esporte, então é uma oportunidade maravilhosa de poder representar o Brasil em Copacabana, a praia mais famosa do mundo e a mais bonita também", disse.

Atualmente, a dupla número 1 do mundo é formada pelos brasileiros Alison e Bruno Schmidt, e há possibilidade de as duplas brasileiras se encontrarem na semifinal da Rio 2016, cuja abertura oficial é na próxima sexta-feira.

Pedro e Evandro enfrentam a dupla cubana formada por Nivaldo Díaz e Sergio González pelo Grupo D. Depois, enfrentam Ben Saxton e Chaim Schalk, do Canadá, e Aleksandrs Samoilov e Janis Smedins, da Letônia.

"A gente tem que pensar em um jogo de cada vez. Vamos pensar em Cuba, depois no Canadá e assim vai. Não tem por que a gente ficar pensando na semifinal", disse Evandro.

Após uma sequência de quatro competições fora do pódio, a dupla conquistou o Major de Gstaad, etapa suíça do circuito mundial de vôlei de praia e último torneio de destaque internacional antes dos Jogos.

"A gente teve pouco tempo como dupla, mas acho que a gente acertou muito mais do que errou. A gente começou com a opção do Evandro ser o bloqueador do time, uma coisa que os treinadores rapidamente mudaram e foi um ponto fundamental", disse Pedro.

A dupla preferiu se hospedar em unidade militar na Urca, ao lado de outras equipes brasileiras, para ficar mais perto de Copacabana.

Com equipes muito fortes na disputa pelo pódio, como Holanda, Estados Unidos, Espanha e Letônia, os estreantes afirmam que este é um desafio grande.

"Os grandes desafios são nossos oponentes, os times são muito fortes. A gente tem dois times da Holanda muito fortes, Estados Unidos", disse Solberg.

"Nosso maior desafio é dentro de quadra, na bola. A gente está muito bem preparado, mas são times fortes, então temos que estar atentos."

Por Caio Saad

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below